Letreiro do Hard Rock Cafe Nova York com uma Gibson Les Paul
Foto da Gibson Les Paul via Shutterstock
  

Ontem a gente falou por aqui sobre como a Gibson, uma das maiores fabricantes de guitarras do planeta, entrou com pedido de falência.

Há algum bom tempo já havia rumores de que isso aconteceria e agora a empresa iniciou os processos legais para se reestruturar e continuar ativa no mercado, utilizando amparos legais que permitam que ela continue suas atividades.

Há poucos minutos a empresa utilizou a sua conta no Twitter para se pronunciar a respeito e disse que o pedido de falência não significa o seu fim:

Ontem a Gibson entrou com um pedido de reorganização dentro do Capítulo 11 do Código de Falência dos Estados Unidos. Isso NÃO significa que a Gibson irá fechar as portas. Significa que estamos reorganizando os nossos negócios para nos concentrarmos nas guitarras e instrumentos musicais, nos tornando uma empresa mais forte durante o processo.

Podem ficar tranquilos, não haverá mudanças nas nossas garantias e políticas de devolução de produtos e ainda estamos fabricando, vendendo e despachando as guitarras mais icônicas do mundo. Nosso relacionamento com vocês é importante para nós e estamos empolgados com o que o futuro nos reserva.

Gibson

A empresa foi fundada em 1902, há 116 anos, por Orville Gibson em Kalamazoo, nos Estados Unidos.

Na época, o luthier fabricava violões e bandolins, e mesmo sem ter estudado a respeito, criou equipamentos com estruturas próprias que passaram a ser bem aceitos pela comunidade de músicos.

Hoje em dia a marca é quase que instantaneamente associada às guitarras elétricas e é dona de alguns dos modelos mais cobiçados do mundo, como SG, Les Paul, Flying V e Firebird.

  
Compartilhar