O Desmanche: Craca e Dani Nega anunciam novo disco e lançam single

Veja a contundente arte de capa do novo álbum com exclusividade aqui no TMDQA!

Craca e Dani Nega
Foto por Cacá Bernardes
 

A ótima dupla Craca e Dani Nega está de volta com um novo disco de estúdio.

O Desmanche será lançado no dia 20 de Abril, também conhecido como semana que vem, e hoje com exclusividade nós divulgamos por aqui a capa do álbum, que pode ser vista logo abaixo.

Além do anúncio do disco e da capa, a banda também disponibilizou um single chamado “Peito Meu”, canção com participação de Luedji Luna que ganhou lyric video e já dá uma boa amostra do que vem por aí no álbum.

O Desmanche

Craca e Dani Nega - O Desmanche

O álbum será lançado dois anos após o primeiro disco do grupo, Craca, Dani Nega e o Dispositivo Tralha, e sairá em formato digital com participações incríveis de Juçara Marçal, Roberta Estrela D’Alva, Sandra-X, Graça Cunha, Nanny Soul e as Clarianas.

No dia 05 de Maio, um sábado, Craca e Dani Nega farão um show de lançamento do disco em São Paulo na Choperia do SESC Pompeia, com ingressos que começam a ser vendidos no dia 24/04, às 12 horas, pela Internet.

Nós conversamos com a dupla a respeito do lançamento e você pode ler nosso papo rápido com eles na sequência.

TMDQA!: Tanto o nome do álbum quanto a capa são bastante sugestivos para refletir o momento pelo qual passamos hoje em dia nas esferas políticas e sociais. Como surgiu a ideia dessa arte?

Craca e Dani Nega: A capa do disco foi carinhosamente realizada pela artista visual Vânia Medeiros a partir de uma sequência de sugestões que nós enviamos a ela. Nessas propostas iniciais já constava o viés político e de denúncia que pode-se ler no trabalho dela. Mas ela foi além, trabalhando alguns elementos novos e fazendo um misto de técnicas. Ela misturou ilustração feita a mão com edição no computador. Desta forma, o resultado final tem algo de artesanal, de manual assim como o som também tem, mesmo tendo sido realizado a partir de dispositivos eletrônicos em sua maioria.

A capa é bastante inquietante. Ela tem um fator de denúncia que, somado ao título, nos contextualiza precisamente nos dias de hoje. O próprio nome O desmanche é uma referência direta ao processo político em que nos encontramos. Tem-se falado muito em desmonte da educação, desmonte da cultura, desmonte da Saúde. Nós preferimos o termo desmanche, pois o desmanche remete à ideia de ilegalidade. E não acreditamos que exista legitimidade neste processo que estamos vivendo. Desmanche faz alusão a uma atividade ilegal para usurpação de peças de um veículo.

Assim, tomamos de empréstimo esse termo como título para nos referir ao nosso cenário político e também porque ele se relaciona muito diretamente com a nossa metodologia composicional, que é feita a partir de aglomerados de sucatas peças usadas oxidados danificadas que reunimos unimos e montamos no formato de um grande tanque de guerra poético contra-atacando esse consenso forjado midiaticamente.

TMDQA!: Vocês são uma banda que aposta muito na parte visual para conversar com o público, tanto em estúdio quanto nos shows. Como vocês enxergam essa união de várias artes no mesmo trabalho e quanto se preocupam com cada parte do todo para passar a mensagem que desejam?

Craca e Dani Nega: De fato os shows e os trabalhos de Craca e Dani Nega marcam a presença de informação visual. Os shows são realizados com sistema de vídeo mapping sincronizado às músicas, criado por Craca, que por vezes complementam a dinâmica musical e por vezes reafirmam o discurso político da letra. A dimensão política do que é dito por Dani Nega durante o show, por exemplo, exige musicalmente e visualmente explosões proporcionais.

A isto somamos uma série de outros outros fatores como a experiência de Dani Nega como atriz e o trabalho nas artes visuais que Craca mantém. Ambos nos consideramos artistas mais do que apenas músicos. Talvez por isso, nossa música dialogue com outras áreas. Para nós isso é muito importante pois temos o desejo de oferecer para o público uma experiência sensorial e simbólica, tentando ser ampla e profunda. Além disso, nos interessa muito a possibilidade que essas tecnologias nos permitem subverter a relação palco e plateia, reconfigurando o espaço arquitetônico do espetáculo.

Enquanto artistas estamos em constante pesquisa de linguagem e técnicas. Neste momento estamos lançando O Desmanche em sua versão musical, mas a partir de agora desenvolvemos toda a interface visual que será apresentada no show, que nos acompanhará no palco. Desta vez, faremos muitas coisas diferente, dispomos de novos recursos e temos novas inquietações estéticas que nos obrigam a mergulhar num novo campo de possibilidades de experimentação. Estamos desenhando um novo sistema de vídeo mapeamento, pensando também em todas as mudanças que este novo espetáculo traz.

TMDQA!: O álbum tem várias participações especiais e hoje a música brasileira parece entender que essas colaborações são quase um requisito para que todo mundo cresça junto. Vocês entendem assim? Como seria esse disco sem os artistas convidados?

Craca e Dani Nega: Este disco, diferente do primeiro, foi realizado muito mais em parceria entre nós dois. Dani, além das letras e melodias, também contribuiu com outros elementos, inclusive a concepção das participações, todas por mulheres. Neste caso, cantoras incríveis.

As parcerias enriquecem na mesma proporção em que fortalecem o trabalho. Trazem novos elementos e impõe desafios que terminam por resultar em um caminho diferente para a música. Um pouco de caos criativo, fundamental à arte.

E sim, existe também a criação e fortalecimento dessa rede de artistas, com parcerias criamos uma rede que fortalece o discurso artístico.

 

 

Comentários