Garimpeiro recomenda: Public Broadcasting Service, The Faint, Stornoway

Crias de Kraftwerk, post punk frenético e art rock refinado nas recomendações de hoje

Public Service Broadcasting
 

Public Broadcasting Service é um projeto londrino muito interessante, uma viagem e tanto dentro do art rock, música alternativa, eletrônica, dance-punk e krautrock.

Trata-se de um trio formado por J. Willgoose (guitarra, banjo, instrumentos de cordas adicionais e parafernálias eletrônicas), Wrigglesworth (bateria, piano e instrumentos musicais eletrônicos) e J F Abraham (flugelhorn, baixo e outros instrumentos diferenciais como o vibraslap).

O trio iniciou suas atividades em 2009, já lançou três álbuns e no ano passado colocou na roda um single bem especial contando com a presença da vocalista Tracyanne Campbell da Camera Obscura, a belíssima “Progress”. Uma bela audição em seus fones de ouvido.

 

E se você quiser conferi-los ao vivo recomendo muito que assistam ao vídeo de “The Other Side”, duvido que não fiquem hipnotizados, aleluia Kraftwerk!

The Faint

O quarteto The Faint formou-se em  Nebraska, nos Estados Unidos, surgido das cinzas da banda Norman Bailer.

A formação, atualmente toda renovada, conta com Todd Fink (vocal e teclados), Graham Ulicny (teclados), Michael Dappe (guitarras) e Clark Baechle (Bateria).

A proposta mistura em um só caldeirão pitadas generosas de post-punk revival, dance-punk e new wave.

Embora pouco conhecidos fora dos cantos obscuros do underground eles já estão na ativa desde 2009 e conseguiram lançar seis álbuns, ou sete se contarmos o primeiro ainda como Norman Bailer e nove com os dois discos remixados que fizeram para Blank-Wave Arcade e Danse Macabre.

Escute a faixa que indico, a poderosa “Evil Voices” e veja se não parece uma forte pulsação cardíaca elétrica, joinha, joinha.

Stornoway

Embora se enquadrem na situação de bandas recentes, a ótima Stornoway, banda inglesa formada em Oxford no ano de 2006, infelizmente encerrou suas atividades ano passado, mas fizeram um belo trabalho que, no mínimo, deveria ficar registrado na memória de admiradores da boa música.

A obra deles contou com três discos e a bênção da 4AD, que lançou e apostou nos dois primeiros registros, mas o grupo acabou saindo do cast da gravadora em 2015, assinando contrato com a Cooking Vinyl.

As coisas não deram muito certo e após um terceiro álbum chamado Bonxie, vieram boas críticas que não foram o suficiente para manter a harmonia necessária que fizesse o grupo dar continuidade em sua obra, uma pena.

Stornoway nos deixou verdadeiras pérolas musicais que bebiam direto de fontes como o art rock, neo folk e Chamber pop.

 

Nino Lee Rocker é um colecionador compulsivo, pesquisador do novo cenário rock mundial e obscuridades afins. É conhecido como Garimpeiro das Galáxias por seus programas em rádios,  sites, blogs  e meios alternativos onde publica suas descobertas, um acervo que já caminha a quase 10 mil achados pouco ou nada conhecidos do publico em geral.

Comentários