Foto: Wikimedia Commons
 

Jesse Hughes ataca novamente.

O vocalista do Eagles Of Death Metal usou seu Instagram para compartilhar algumas mensagens bem ofensivas contra as crianças e adolescentes que marcharam contra a violência armada nos Estados Unidos no último sábado (24).

Claramente se posicionando a favor da liberação desenfreada de armas, o músico chegou a comparar os frequentes tiroteios no país a casos de estupro. Em uma das imagens compartilhadas, um personagem diz ter devolvido seu revólver para diminuir a violência, enquanto o outro diz ter cortado seu “pinto fora para parar com o estupro”.

Em outra postagem, Jesse usou uma imagem alterada da estudante Emma González, sobrevivente de um tiroteio em sua escola na Flórida, onde ela aparece rasgando a constituição americana — na foto original, Emma rasga a ilustração de um alvo para armas. A imagem alterada tem sido espalhada entre grupos da extrema direita. Na legenda do post, o líder do Eagles Of Death Metal declarou:

Preprarem-se… [esta é] a face horrível da traição… sobrevivente de nada… amadora da traição… aproveite seu momento de fama… está prestes a terminar… #estupidez #odiadoresdaliberdade #amadoresdosatanás #nascidaparaperder

Em outra série de posts, o músico chegou a se defender dizendo ser o sobrevivente da tragédia em Paris, que matou 87 fãs de sua banda no Le Bataclan, e que por isso seria um “crime” ofendê-lo nas redes sociais. O músico ainda declarou estar “com medo” destes movimentos, temendo que o “muro de segurança que a Constituição fornece [esteja] sendo derrubado pouco a pouco.”

Hughes deletou todas as publicações, mas você pode ver algumas delas ao fim da matéria.

Polêmica com armas

Esta não é a primeira vez que o frontman do Eagles Of Death Metal cria problemas para si mesmo com suas declarações.

Meses depois da tragédia no Le Bataclan, do qual o próprio é sobrevivente, o músico chegou a acusar os seguranças da casa de shows de ter “orquestrado” o ataque. Hughes precisou pedir desculpas publicamente e, pouco depois, foi expulso de um show no local pelo fundador da casa.

Jesse disse, também, que o ataque poderia não ter acontecido caso o controle de armas na França não fosse tão severo.