Igapó de Almas une ritmos regionais e música eletrônica em novo disco
Foto: Rudá de Melo / Divulgação.
 

O mundo amazônico se mistura com o baião. A floresta e a música cabocla se juntam às batidas eletrônicas atuais. O regional e o global se unem no novo disco do Igapó de Almas.

Laborioso Vinho, segundo álbum do grupo potiguar, é composto por 13 músicas, entre composições autorais e faixas instrumentais.

Além de sintetizadores, colagens de samples, beats e os sons regionais, a banda também utiliza elementos tradicionais como o rock e jazz para compor sua sonoridade.

O músico Henrique Lopes explica que as influências usadas nesse trabalho também são uma forma de dar voz e homenagear. “Fazer algumas dessas influências soarem através da música pra gente é uma forma de agradecer e de manifestar nosso profundo respeito pela cultura de povos que são, na verdade, anteriores a qualquer possibilidade de existência de um país chamado Brasil”, revela.

O processo de composição do registro foi lento e criterioso. Os músicos elaboraram o álbum com base em aprendizados, experiências e no que estava acontecendo no país no decorrer do desenvolvimento. “Gravamos, desgravamos e experimentamos bastante. Foi preciso se mover e bater cabeça, experimentar; nesse sentido de envolvimento foi laborioso. Mas também foi preciso não agir, esperar, dar tempo ao tempo, deixar rolar; nesse sentido foi tipo como vinho”, finaliza Henrique.

Igapó de Almas é formada pelos músicos Pedras, Walter Nazário, Henrique Lopes, Rafael Melo e Artur Porpino. Eles também integram outros grupos da cidade de Natal (RN) como Mahmed, Luísa e os Alquimistas e Fukai.

Laborioso Vinho chega às plataformas de streaming nesta sexta-feira (23), mas já pode ser ouvido logo abaixo.