Katy Perry no Rio de Janeiro
Katy Perry no Rio de Janeiro
 

Uma noite de brilho, carisma, diversão e homenagem.

O show de Katy Perry no Rio de Janeiro, realizado no último domingo, 18 de Março, na Praça da Apoteose, fechando a passagem da cantora pelo Brasil, teve tudo isso e mais um pouco.

Consagrada como uma das mais bem sucedidas e populares divas pop da atualidade, a americana de 33 anos, que já havia se apresentado na cidade nas edições do Rock in Rio de 2011 e 2015, dominou a plateia do início ao fim com maestria.

Antes de Katy subir ao palco com a sua The Witness Tour, baseada em seu mais recente álbum, Witness (2017), os fãs puderam acompanhar a performance de Bebe Rexha, que, simpática e comunicativa, animou o público por quase quarenta minutos. Diferentemente de Katy, que atrasou sua entrada por mais de meia hora, a cantora deu as caras apenas dois minutos depois do horário previsto, às 19h32.

Bebe mostrou as principais canções de seu repertório, como “Bad Bitch”, “No Broken Hearts”, “In The Name of Love”, “Back to You” e o hit “I Got You”. Após o término do seu show, às 20h09, deu-se início a grande espera por Katy Perry. Inicialmente, a musa entraria apenas 35 minutos depois de Bebe Rexha, porém, a mais nova amiga de Gretchen surgiu no palco somente às 21h25, quando os fãs demonstravam sinais de irritação.

Por outro lado, bastou as luzes da Apoteose se apagarem para a plateia substituir o incômodo por euforia. Assim como nos shows de Porto Alegre e São Paulo, o setlist foi aberto com uma versão condensada de “Witness” (da mesma forma que outras canções, mais para frente, também foram encurtadas). Com o público nas mãos, Katy, no melhor estilo dama em vermelho, seguiu a apresentação com “Roulette” e “Dark Horse”, do disco Prime, lançado em 2013.

Entre dizeres engraçados, como “Miga, sua louca”, que ela adora repetir, e figurinos e cenários bastante inventivos, criados pela designer britânica Es Devlin, a mesma da Monster Ball, de Lady Gaga, e Formation Tour, de Beyoncé, a cantora ia impressionando a plateia com seu espetáculo pomposo, de encher os olhos dos fãs.

Ao lado de seus dançarinos, com visuais super coloridos e grande movimentação no palco, Katy concluiu o primeiro ato do show com “Chained to the Rhythm”. Na volta, a “rival” de Taylor Swift fez uma dobradinha com “Teenage Dream”, do álbum homônimo de 2010, e “Hot n’ Cold”, do One of the Boys (2008).

Logo depois, Katy Perry cantou “Last Friday Night (T.G.I.F.)”, em versão reduzida, e “California Gurls”. Na sequência, a cantora se dirigiu até o início da passarela que se juntava ao palco e, mais próxima dos 18 mil presentes, divertiu o público com um número em que brincava com um tubarão azul e branco.

Na ocasião, ela também chamou ao palco alguém da plateia. O fã em questão tinha o nome de Rafael e recebeu a missão de ensinar algumas palavras em português para a nova jurada de American Idol.

A cada repetição de Katy, o público se dividia entre gargalhadas e coros de “own”. Passado o momento de brincadeira, a apresentação continuou com “I Kissed a Girl”, fechando mais um ato. A terceira parte do show teve as novas “Déjà Vu” e “Tsunami”, além de “E.T.” e “Bon Appétit”. Na hora de introduzir a quarta sequência do show, Katy revelou que a próxima canção era a sua preferida na carreira. Veio então “Wide Awake” em formato voz e violão.

Mais tarde, Katy Perry quis passar a importância de amar o próximo incondicionalmente nos dias atuais. “Rio, esta próxima canção é para vocês. Não importa onde você mora, de onde você vem, se é das favelas ou dos bairros chiques. Onde quer que você esteja, não importa quem você ama ou a cor da sua pele, esta música é para vocês. E sobre amor incondicional”, afirmou a artista.

Era a deixa para cantar “Unconditionally”, que assim como em São Paulo, substituiu “Thinking of You” no repertório. Se a vibe da apresentação já pendia pro lado da emoção, a Apoteose inteira se arrepiou com a projeção no fundo do palco de uma foto de Marielle Franco, vereadora do Rio barbaramente assassinada no começo da semana passada. Tendo repercutido internacionalmente, o caso, que chocou o país e o mundo, ganhou voz também, naquele momento, através de Katy Perry.

Ao final da execução da faixa, a estrela convidou ao palco a irmã e a filha da parlamentar morta, Anielle e Luyara, respectivamente; As duas puderam expressar ali, e mais uma vez, sua dor e a urgência por justiça e controle da violência no estado. Katy, por fim, pediu um minuto de silêncio e, claro, foi prontamente atendida pelos fãs. Sob fortes aplausos e enorme comoção, Anielle e Luyara se despediram da cantora, enquanto os fãs gritavam frases de militância como “Marielle, presente” e “Fora, Temer”.

O show voltou a ganhar tons mais alegres com a execução de “Power”.  Já o último ato do show teve a potente “Part of Me”, a rebolativa “Swish, Swish” (sem a participação de Gretchen) e a grudenta “Roar”, encerrando a apresentação antes do bis às 23h11.

Alguns minutos depois, Katy retornou para cantar o mega hit “Firework”. De início, a diva, saindo de dentro de uma mão gigante, cantou os versos da música em ritmo lento, para na segunda parte explodir e fazer todo mundo pular, dançar e literalmente berrar a letra.

Com quase duas horas de apresentação, Katy Perry provou ser uma grande show girl e entregou um espetáculo capaz de conquistar qualquer “testemunha”. Podem até duvidar de seu talento vocal e/ou sua capacidade de manter o fôlego, mas ninguém deveria questionar sua evolução artística e habilidade para se comunicar por meio da música. Pergunte para qualquer KatyCat.

 

Setlist:

1. “Witness”
2. “Roulette”
3. “Dark Horse”
4. “Chained to the Rhythm”
5. “Teenage Dream”
6. “Hot N Cold”
7. “Last Friday Night (T.G.I.F.)”
8. “California Gurls”
9. “I Kissed a Girl”
10. “Déjà Vu”
11. “Tsunami”
12. “E.T.”
13. “Bon Appétit”
14. “Wide Awake”
15. “Unconditionally”
16. “Power”
17. “Part of Me”
18. “Swish Swish”
19. “Roar”

Bis:

20. “Firework”