Caio Prado conversa sobre gênero e resistência política em novo disco

O trabalho também fala sobre raça, liberdade de expressão e tolerância religiosa

Caio Prado conversa sobre gênero e resistência política em novo disco
Foto: Rafo Coelho
 

Em Incendeia, segundo disco de sua carreira solo, Caio Prado aborda temas urgentes nos dias de hoje. Questões de gênero, raça, liberdade de expressão, tolerância religiosa e resistência política são assuntos recorrentes no novo álbum.

O artista explica que a ideia de renovação e mudança está inserida em todo o conceito por trás do registro. “A transformação passa por incêndios, queimando e virando cinzas que renascem em brisas – resistências”, revela.

Incendeia também é um trabalho importante pela representatividade que Caio coloca em cena. O artista assume que o público anseia por algo que saia da bolha, extrapole. “Preciso aceitar que muita gente se sente representada por mim. Isso me traz uma tranquilidade de estar no lugar certo e também a urgência de fazer um trabalho foda”, disse.

Atualmente o artista se divide entre a carreira solo e o trio queer Não Recomendados, na ativa há pouco mais de dois anos, com os amigos Diego Moraes e Daniel Chaudon. Além disso, ele também compôs a faixa “Não Recomendado” para o novo disco de Elza Soares.

 

Comentários