Foo Fighters e Queens of The Stone Age abrem turnê brasileira em noite de total entrega no Rio

Paulistanos do Ego Kill Talent aqueceram a noite com apresentação de abertura no Maracanã

Foo Fighters no Maracanã
Foo Fighters no Maracanã
 

Fotos por Diego Castanho

Os portões do Estádio do Maracanã foram abertos às 16h, levando uma horda de fãs ansiosos para o interior de um dos mais conhecidos templos do futebol, no Rio de Janeiro. Embora o clima atual na cidade seja de insegurança e o tempo nublado tenha assustado com a ameaça iminente de chuva, a noite se desenrolou num misto de efervescência e tranquilidade.

A banda brasileira Ego Kill Talent abriu a noite, mostrando por que é uma das grandes revelações do rock nacional no último ano, entregando um show de abertura empolgante e com uma emocionante recepção da plateia ansiosa pelo show principal. No repertório, canções do álbum de estreia, como “Still Here” e “Last Ride”, mostraram toda a força do Ego. A banda paulistana fez uma curta apresentação de trinta minutos, o suficiente para aquecer o público para o que viria a seguir.

Ego Kill Talent no palco do Maracanã
Foto por Lucca Miranda

 

Quando o riff de “If I Had A Tail” reverberou pelo estádio, os fãs de Queens of The Stone Age tiveram certeza de que a noite seria daquelas. A banda seguiu com “Smooth Sailing” e “My God Is The Sun”, faixas de …Like Clockwork, disco de 2013. Do álbum de 2017 que dá nome à turnê atual da banda de stoner rock, Villains, cinco faixas entraram no repertório: “Feet Don’t Fail Me”, “The Way You Used To Do”, “The Evil Has Landed”, “Domesticated Animals” e “Villains of Circumstance”. As novas músicas tiveram uma recepção tão boa do público quanto os hits “No One Knows”, “Little Sister” e “Make It Wit Chu”.

O QOTSA mostrou sintonia no palco e, apesar da recente polêmica envolvendo Josh Homme, que chutou uma fotógrafa num dos shows da banda em Dezembro, o vocalista demonstrou simpatia e gingado, puxando palminhas e entretendo a galera durante a apresentação de 1h15. Com setlist redondo, o quinteto californiano transitou entre o mais pesado do stoner ao som dançante que marca o último lançamento do Queens.

Dave Grohl e banda subiram ao palco no Maracanã pontualmente às 21:30 para se deparar com um público apaixonado no gramado e arquibancadas, que sabia muito bem o que esperar de um dos principais frontmen do rock da atualidade. Grohl, visivelmente pingando suor após o pontapé inicial do show com “Run” e “All My Life”, não é um homem de enrolação. A banda emendou uma música na outra, levou os fãs ao delírio, mas com longas jams e solos deu uma cansada na plateia em determinados momentos da noite. Ao invés de covers manjadas e pequenas grandes enrolações, poderíamos ter umas raridades da carreira da banda no set, não? Ainda assim, ninguém se deu por vencido.

Com 2h de duração, a apresentação da turnê do disco Concrete and Gold passeou por diversos hits da extensa discografia da banda. “Vocês querem canções do primeiro disco? E do segundo? E do terceiro? Quarto? Quinto? Sexto? Sétimo? Oitavo? Não sei quantos discos nós temos”, brincou o vocalista, transbordando simpatia e mostrando por que muitos o acham o cara mais legal do rock.

Destaque também para Taylor Hawkins e Pat Smear. Taylor e Dave trocaram declarações de amor ao inverterem seus postos na banda, com o vocalista assumindo a bateria durante a cover de “Under Pressure” do Queen, e Hawkins tomando a frente do palco no vocal. Smear foi ovacionado pelo público do Maracanã, seguido de uma versão barulhenta de “Blitzkrieg Bop”, dos Ramones. Nesse momento de apresentação da banda ainda rolou “Another One Bites The Dust” e “Under My Wheels”, do Alice Cooper.

De uma coisa podemos ter certeza: o show do Foo Fighters é explosivo. O refrão de cada música é cantado a plenos pulmões por Grohl e pelo público. Aliás, o guitarrista é bom no grito. E saiu em defesa do rock várias vezes durante a noite, embalada por hits como “Learn To Fly”, “My Hero” e “Times Like These”. O coro de “Best of You” emocionou Dave Grohl, ao ver diversos cartazes pelo estádio, ao que ele respondeu “Obrigado por me lembrarem da letra, às vezes eu esqueço”.

Em apenas uma noite, o Foo Fighters mostrou por que se mantém como um grande nome na música e como, mesmo com um novo disco aquém das expectativas, consegue provocar uma verdadeira catarse coletiva entre os fãs que têm o privilégio de vê-los no palco.

A turnê continua durante a semana, com mais duas apresentações em São Paulo, nos dias 27 e 28 de Fevereiro; em Curitiba, dia 2 de Março; e Porto Alegre, no dia 4. Os ingressos ainda estão disponíveis para todos os shows. E, pra ter um gostinho do que vem pela frente, confira os setlists na sequência.

Setlist – Queens of The Stone Age no Rio de Janeiro (25/02/2018)

“If I Had A Tail”
“Smooth Sailing”
“My God Is The Sun”
“Feet Don’t Fail Me”
“The Way You Used To Do”
“You Think I Ain’t Worth a Dollar, but I Feel Like a Millionaire”
“No One Knows”
“The Evil Has Landed”
“I Sat by the Ocean”
“Make It Wit Chu”
“Domesticated Animals”
“Villains of Circumstance”
“Little Sister”
“The Lost Art of Keeping a Secret”
“Go With the Flow”
“A Song for the Dead”

Setlist – Foo Fighters no Rio de Janeiro (25/02/2018)

“Run”
“All My Life”
“Learn to Fly”
“The Pretender”
“The Sky Is a Neighborhood”
“Rope”
“Sunday Rain”
“My Hero”
“These Days”
“Walk”
“Breakout”
“Make It Right”
“Under My Wheels” (cover de Alice Cooper)
“Another One Bites the Dust / Blitzkrieg Bop / Love of My Life” (covers de Queen e Ramones)
“Under Pressure” (cover de Queen)
“Monkey Wrench”
“Times Like These”
“Best of You”
“This Is a Call”
“Let There Be Rock” (cover de AC/DC)
“Everlong”

 

Comentários