Queda livre: venda de guitarras despenca 80% em cinco anos no Brasil

Empresas como Fender e Gibson têm passado por problemas financeiros

Vendas de guitarras caem drasticamente
Foto de guitarra via Shutterstock
 

Definitivamente não é um período fácil para ser fã de Rock And Roll.

A CBN publicou hoje mais cedo uma matéria onde diz que a venda de guitarras no Brasil está caindo drasticamente ano a ano.

A situação reflete o que acontece no exterior onde, pasme, empresas como Fender e Gibson estão enfrentando problemas financeiros por conta da queda na popularidade do rock.

Segundo a matéria, aqui no Brasil entre 2012 e 2017 a importação do instrumento caiu 78%, e isso se deve a vários fatores como a alta do dólar, a crise financeira do país mas, naturalmente, reflete também como a guitarra está bem longe de ser o mais popular dos instrumentos musicais nos dias de hoje.

A imensa maioria das guitarras compradas por músicos daqui são importadas, e mesmo as marcas nacionais montaram fábricas no exterior, então o número de importações reflete bem o número de guitarras comercializadas no país.

LEIA TAMBÉM: Jack White acredita que uma nova onda do Rock “irá acontecer em breve”

Os dados são da Anafima, Associação Nacional da Indústria da Música, que ainda revela que as importações de violões caíram 33% no mesmo período e os instrumentos de percussão e teclados caíram 55%.

Daniel Neves, presidente da Anafima, diz que não acredita que o “rock irá acabar” ou que as guitarras perderão sua relevância completamente, mas diz que o instrumento apresenta pouca influência nos jovens de hoje em dia:

Existe uma questão de moda. O sertanejo foi um estilo musical que pegou. O número de violões sobe, não o de guitarras. Quando a gente tinha um movimento da indústria fonográfica para o forró, o número de acordeons aumentou incrivelmente. Acho difícil dizer se a guitarra vai voltar a ser um instrumento do momento. É muito mais uma questão de quem será que vai reinventar a roda da música.

Na mesma matéria, o guitarrista Edgard Scandurra, do IRA!, cita a “preguiça” dos adolescentes que preferem ficar no computador e no videogame:

A música pop hoje em dia não é uma música tocada mecanicamente. Em boa parte, ela é executada no computador. E acho que há um perfil da sociedade também, porque o rock é uma música contestatória. Existe uma atitude de contestação que não vejo muito hoje em dia. Essa moçada fica no computador e no videogame, acho que a juventude anda muito preguiçosa. As pessoas não têm nem muita paciência para ler uma coisa longa, quanto mais pegar uma guitarra, sentar numa cadeirinha e ficar treinando.

Ainda ao encerrar a matéria, o jornalista Ricardo Gouveia apresenta um ótimo ponto e diz que muito provavelmente surgirão novos guitarristas como Jimmy Page, Jimi Hendrix e Eric Clapton, “o que não dá mais para saber é se esses futuros talentos vão ser ícones da música pop ou da música clássica.”

Fato é que a música eletrônica e pop, criada em casa com computadores e até mesmo smartphones é o que tem atraído a molecada com seus 14 ou 15 anos, que criam músicas, EPs e até álbuns dessa forma.

LEIA TAMBÉM: O Rock não morreu, mas foi duramente enterrado no Grammy

 

Comentários