O Radiohead pisou na bola ao processar Lana Del Rey por plágio

"Creep", hit da banda, foi alvo da mesma acusação no passado

Lana Del Rey e Radiohead
Fotos: Wikimedia Commons
 

Nos últimos dias nós falamos por aqui sobre como a cantora Lana Del Rey usou sua conta no Twitter para dar uma notícia desagradável.

Segundo ela, o Radiohead abriu um processo por conta de “Get Free”, música do seu último disco, dizendo que ela é uma cópia de “Creep”, mega hit da banda de Thom Yorke e companhia.

Na sua mensagem, Lana diz que os advogados dos britânicos têm sido “implacáveis” e que mesmo não tendo copiado “Creep”, chegou a oferecer até 40% dos direitos por conta das semelhanças, mas o Radiohead só aceitaria 100% dos lucros da canção.

Não há como negar que as músicas realmente são parecidas, e no vídeo abaixo é possível perceber que quando é feito um mashup, elas se encaixam muito bem, mas o que o Radiohead está fazendo é, no mínimo, desagradável.

A banda está processando Lana por conta de uma progressão de acordes que meio mundo já utilizou em suas canções, e a maior prova disso (e também a parte mais chata desse processo todo) é que o próprio Radiohead foi processado por plágio em “Creep”.

Sim, a banda está pedindo seus supostos direitos pela composição da cantora a partir de uma música que no passado foi alvo de um processo do The Hollies, grupo que em 1972 lançou uma canção chamada “The Air That I Breathe”.

LEIA TAMBÉM: Já ouvi isso antes – músicas que são muito parecidas

A música foi escrita por Mike Hazlewood e Albert Hammond, o pai de Albert Hammond Jr., guitarrista do The Strokes, e tem uma progressão de acordes bastante popular que décadas depois seria reciclada pelo próprio Radiohead.

Após a canção se tornar conhecida no mundo todo, os autores de “The Air That I Breathe” resolveram processar a banda e ganharam a causa, tanto que Hammond e Hazlewood se tornaram co-autores da canção ao lado dos integrantes da banda inglesa.

Ao falar sobre o processo, Hammond disse que o grupo até mesmo admitiu o “roubo”:

O Radiohead concordou que eles pegaram da gente… Como eles foram honestos, não foram processados a ponto da gente dizer que queria 100% da canção. Então acabamos com apenas um pequeno pedaço dos direitos.

Não bastasse a ironia do Radiohead ser processado pela canção que agora usa para processar, ainda correu o risco de perder 100% dos direitos dela, o que está tentando fazer com Lana Del Rey vinte e cinco anos após o lançamento de “Creep”.

Vale notar que talvez o pedido de 100% seja para que, quando o julgamento acontecer e o processo todo acabar, a fatia chegue a um valor interessante porque muito provavelmente será diminuída pelo júri.

Ainda assim, para o público em geral a postura parece ser das mais chatas e infantis, ainda mais se tratando de uma música que o próprio Radiohead ignora na maioria dos shows e, do outro lado, de uma música que nem é um grande hit de Lana Del Rey.

Além disso, a parte da canção que a banda usa como objeto do processo é compartilhada com outro artista, nem é lá tão original assim e tem seus méritos por aparecer junto com as guitarras distorcidas que fizeram de “Creep” um hino dos adolescentes nos anos 90, sendo que essa distorção toda não aparece em “Get Free”, de Lana.

Progressões harmônicas e melódicas parecidas estão no mundo há muitas e muitas décadas, e há uma linha tênue entre o que é plágio e o que é coincidência. Se a moda pega, os processos serão infinitos e iremos presenciar uma verdadeira salada de frutas na hora de creditar bandas e artistas pela composição de inúmeros sucessos por aí.

Por conta das semelhanças alegadas, o Radiohead poderia muito bem ter pedido uma fatia menor e o feito discretamente, como claramente não é o caso. Afinal de contas, será que Albert Hammond e o The Hollies não poderão também entrar na disputa e querer os direitos todos para eles, que vieram primeiro?

 

O que você acha de toda essa questão? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários