Vocalista de banda cover do Iron Maiden com temática de palhaço é preso por tráfico

O frontman da banda Powerclown se meteu em uma enrascada no Japão

Foto: Reprodução/Facebook
 

Aqui vai a sua dose de bizarrice do dia: o frontman de uma banda cover do Iron Maiden, onde os membros se vestem de palhaço (?), foi preso por tráfico de drogas (!) no Japão.

De acordo com a polícia local, Daniel Burton Whitmore (conhecido como Dicksee Diànno) contrabandeou quase 10 quilos de “drogas estimulantes” para o país, algo equivalente a 22 milhões de reais em entorpecentes. As substâncias estavam escondidas em um fundo falso do case de sua guitarra e em várias embalagens de chá.

Os oficiais da alfândega relataram que suspeitaram do músico após vê-lo “suando intensamente” durante a revista, e também pelo peso de sua bagagem. Quando questionado, Daniel disse: “eu estava levando um case de guitarra conforme solicitado por uma pessoa chinesa morando no Canadá, eu estava combinando para entregá-la em um hotel na cidade de Narita.”

A banda Powerclown se pronunciou sobre a prisão de seu líder de uma forma bem peculiar:

As bandeiras voam a meio mastro no circo Powerclown. Garanto-lhes que qualquer frustração é real. Pintada [em nossos rostos] ou não. Tudo o que podemos fazer é desejar o melhor para ele. Palhaçadas e truques de mágica, seja por ele ou por nós, não vão ajudar. Mesmo com a voz dele, a voz de um pássaro, e seu charme suave de pintura de veludo, ele não conseguirá sair dessa, mesmo que fale japonês.

Enquanto nenhum dos nossos palhaços tolera as ações de Dicksee, ou recomendamos que alguém tente algo tão insensato, esperamos o melhor para o nosso amigo pintado com graxa. Esperamos que, por algum pequeno… ou grande… milagre, ele de alguma forma consiga deslizar em suas calças cor-de-rosa e dance de volta para casa para enfrentar esta forma diferente de música que ele criou para si mesmo.

Nós amamos você, Dicksee. Se você de alguma forma voltar para cá, e esperamos que você o faça, talvez possamos pegar leve com você. Talvez. Sem promessas.

Comentários