Lorde é chamada de “intolerante” em jornal americano após cancelar show em Israel

"21 [anos] é muito cedo para se tornar uma intolerante"

Foto: Annette Geneva/Flickr
 

O cancelamento do show da Lorde em Israel continua dando o que falar.

Depois de receber um convite para conversar com o embaixador israelense Dr. Itzhak Gerberg sobre sua decisão, agora a cantora está sendo chamada de “intolerante” em uma propaganda de página inteira no jornal americano Washington Post. O anúncio foi feito pelo rabino Shmuley Boteach, que também critica a Nova Zelândia pelo posicionamento da artista.

O texto diz:

Lorde e a Nova Zelândia ignoram o ataque da Síria a Israel. […] Lorde se uniu a um boicote antissemita global contra Israel, mas vai tocar na Rússia, apesar do apoio de Putin ao genocídio do Assad na Síria. […] 21 [anos] é muito cedo para se tornar uma intolerante.

O ministro da cultura israelense Miri Regev também chamou a atenção da artista por meio de um comunicado, dizendo que suas considerações políticas são “ridículas” e revelando que esperava mais de Lorde. O organizador do show em Tel Aviv pediu desculpas aos fãs e pediu para que parem de atacar a neo-zelandesa. Ele completou: “fui ingênuo ao pensar que uma cantora de sua idade pudesse lidar com tanta pressão”.

Ao lado de artistas como Roger Waters e Thurston Moore, Lorde decidiu se posicionar contra Israel pelo regime imposto ao povo palestino. Do outro lado, o Radiohead e Nick Cave mantiveram suas apresentações no país e foram criticados.

FonteNME
Compartilhar

Comentários