Tenho Mais Discos Que Amigos!

21 selos independentes que não podem passar despercebidos

Para os apaixonados por música nova e boa, acompanhar o que estão fazendo os selos independentes é lição de casa. Eles que ganharam força nos últimos anos e fazem o rolê acontecer com uma energia que só a paixão pela música explica. Eles acolhem os ignoradas pelo hype e na melhor vibe “os humilhados serão exaltados” enchem as nossas playlists de sons de primeira linha.

Separamos alguns selos brasileiros que estão na ponta da cena para você conhecer!

Selos independentes

  1. Lixo Discos

A Lixo Discos começou com Marcelo Jacob e Bruno Gringo, em julho de 2016. A ideia era lançar bandas novas de punk rock e organizar festivais para promover a nova cena. Na conta do selo estão três festivais, entre eles, o “O Som Do Lixo” que rolou no Morfeus Club com bandas de punk rock veteranas como Os Excluídos, Juventude Maldita, Deserdados, Sweet Suburbia e 88 Não! e as apostas Baldios, Injetores, Clinch e Mandriões.

Quer conhecer o trampo da Lixo Discos? É só colar no “Lixo Pocket Sessions”, evento gratuito que rola no Baderna (em frente ao metrô Sumaré/SP). Lá dá para curtir um som legal, sem virar a noite por aí.