Foto: Leonardo Gonçalves
 

Em “Preciso Me Encontrar”, canção de 1976 composta por Candeia, Cartola canta sobre a estrada, sobre a procura por novas experiências e pelo auto-conhecimento. É este o sentimento — e a melodia — que o rapper paraense Dime Cronista desconstruiu e adaptou em sua nova canção, “Belhell”.

A música discorre sobre a vinda do músico para São Paulo e serve, também, como homenagem à terra natal de Dime, Belém do Pará.

“Belhell” foi algo que representou a minha própria desconstrução musical, de desconstruir o estilo [rap], e até mesmo de desconstruir pensamentos. Pra construir essa música tive que desconstruir a melodia do Cartola pra chegar na minha própria construção.

E é a própria capital do Pará, com sua forte tradição multicultural, que influenciou a mudança na sonoridade do rapper. Com uma pegada muito mais acústica e melódia, Dime canta com um certo ar de nostalgia sobre suas origens e sua experiência na estrada.

Eu fiz “Belhell” como ela fosse minha mãe. Cantarolei para algumas pessoas e elas diziam pra mim: ‘parece que essa música você fez para sua mãe, mas às vezes parece que é pra cidade’. E é exatamente isso, a vida é feita de conflitos e minha arte conflita diariamente até comigo mesmo pra eu poder chegar na inquietação de compor.

O músico cita que, apesar da homenagem, a música também se trata sobre o “inferno astral” que Belém se tornou, segundo o próprio, e como isso mudou sua percepção de vida e seu tratamento com o novo lar, a capital paulista. “Na época da pichação, de levar porrada da polícia, briga entre gangues, ver gente morrer, drogas. Esse lance de ver coisa muito ruim, muito novo. Isso me deu essa visão de rua, de entendimento de como chegar nos lugares, na quebrada, na casa dos outros.”

“Belhell” é uma composição de Dime Cronista, com Giovani Felizati e Jonas Bento (Cortesia da Casa/Haikass), que contribuiu com o baixo na canção. A direção do clipe ficou por conta do próprio cantor, e quem assina a edição e a fotografia é Leonardo Gonçalves.

Dime Cronista

A carreira do rapper começou em 2012, quando se juntou ao beatboxer Alonso Nugolie e ao DJ e produtor Pro.efx, formando assim o Cronistas da Rua.

Em 2017, Dime entrou em carreira solo lançou o single “Primatas”, com participação de Djonga e Garoá, e “Volta Seca”, com o frontman do Medulla. Confira o trabalho do músico no Spotify e no iTunes.

     
 
Compartilhar