Flea com baixo da Fender que tem sua assinatura
 

Infelizmente não é sempre que os baixistas têm um papel de tanto destaque dentro de uma banda de rock quanto, por exemplo, os guitarristas.

Lógico que exemplos para rebater essa blasfêmia vêm à cabeça quando lembramos de Paul McCartney, Primus, Billy Sheehan, John Paul Jones, Minutemen, entre outros. Mas apesar de ser indiscutível e vital o papel do baixo dentro de uma composição, para a maioria dos ouvidos de uma platwia o instrumento pode passar despercebido (argumentos contrários dirão que você não ouve uma linha de baixo, você a sente) frente à outras distrações providenciadas por bateristas, guitarristas e vocalistas, amantes da atenção e dos holofotes.

Por outro lado, quando o talento, virtuosismo e a criatividade na composição das linhas aparecem, fica difícil para um baixista passar sem ser notado, e esse definitivamente sempre foi o caso de Michael Peter Balzary, mais popularmente conhecido como Flea, o lendário baixista do Red Hot Chili Peppers.

Recentemente Flea participou da edição 2017 do Bass Player Live, um evento da revista Bass Player que reuniu por dois dias diversos baixistas lendários, fornecedores, estudantes e entusiastas do instrumento para workshops, exposições, shows e sessões de perguntas. Lá, o baixista do Red Hot Chili Peppers mostrou um pouco da sua técnica de aquecimento, onde treina escalas a cada 3 casas do braço do instrumento, e impressionou. Flea disse que o exercício é excelente para evitar cãibras e dores, e que começou a prática após dica do baterista de sua ex-banda, Fear.

Assista abaixo:

Flea também recebeu da revista Bass Player o prêmio de “Conjunto da Obra” em reconhecimento às suas contribuições na prática e desenvolvimento da história do instrumento e aproveitou pra mandar uma “palhinha” com os músicos presentes no evento.