Dave Grohl com o Foo Fighters
Foto via Shutterstock
 

Muitos fãs puristas do Foo Fighters devem ter torcido o nariz ao saber que o produtor de longa data da banda, Butch Vig, havia sido substituído por Greg Kurstin. Conhecido principalmente pelo seu trabalho com artistas pop como Adele, Sia, Tegan and Sara e Halsey, Kurstin não é necessariamente um dos primeiros nomes que vêm à cabeça quando imaginamos a lista com potencial para produzir o disco novo do sexteto.

Claramente a visão de Dave Grohl não está alinhada à expectativa dos fãs, pois o vocalista e guitarrista do Foo Fighters foi todo elogios a Greg durante entrevista para a revista NME, dizendo que a parceria resultou em um disco “extremamente pesado em alguns momentos e completamente o oposto ao mesmo tempo, com sessões musicais exuberantes e interlúdios malucos.”

Grohl ainda deu mais detalhes sobre o tipo de sonoridade que buscou ao longo do processo de gravação:

“Se quiser sobreviver, você tem que se forçar um pouco,” disse Grohl.

Eu só imaginei o som expandindo. Não necessariamente com um instrumental alternativo e merdas assim, mas só se expandindo musicalmente para fora da caixa. Greg é um gênio. Ele é um produtor brilhante e ele tem essa intuição musical que eu nunca havia visto em ninguém.

Eu dizia, ‘sinto que precisamos de um riff de guitarra aqui’, e ele respondia ‘sabe aquele b-side daquela porra de disco do Tubular Bells? No segundo verso onde tem uma coisa que sobra no canal esquerdo que soa como pássaros nas árvores?’ Aí ele vai lá e faz isso acontecer.”

Dave ainda acrescenta que tanto banda quanto produtor tinham uma visão bem clara da direção que queriam seguir nesse novo trabalho, testando novas sonoridades para ultrapassar os limites do que é esperado do Foo Fighters.

Eu acho que existia um sentimento de que nós queríamos ser a antítese dos discos que o Greg fez. Sabendo que ele é conhecido por ser um produtor pop com sons muito polidos, nós imediatamente chegamos com o pé na porta fazendo muito barulho. Quando nós estávamos lá pela primeira vez, pensamos ‘vamos fazer sons extensos, vamos fazê-los bem barulhentos, vamos fazê-los estranhos.’

Nós estávamos experimentando sons novos de bateria, chegando em timbragens de guitarra que nunca havíamos usado antes. Eu acho que nós estávamos muito focados em fazer tudo soar completamente diferente de tudo que havíamos feito antes.

Grohl também se recusou a comentar sobre os rumores de que Adele é uma das participações especiais no disco novo, mas falou sobre a dinâmica com outros artistas durante o tempo que a banda passou gravando no East West Studios, em Los Angeles:

Você podia encontrar a Shania Twain dando uma festa de lançamento de disco novo, ou o cara do Deep Purple dando um rolê com o Jason Bonham; Justin Timberlake ficava lá por algumas semanas, ou até a Lady Gaga trabalhando com uma galera de Nashville. De vez em quando a gente perguntava ‘Hey, querem cantar uns backing vocals com a gente?’ e eles topavam.

Provavelmente teremos que aguardar um pouco mais até o lançamento de um próximo single (ou do próprio álbum) para descobrir quem é a grande participação especial. Concrete and Gold será lançado no dia 15 de Setembro.

LEIA TAMBÉM: Foo Fighters toca a nova “Arrows” em show