Shirley Manson (Garbage) crava: há um movimento mundial para acabar com os direitos das mulheres

Vocalista do Garbage, que passará pelo Brasil em dezembro, diz que o 11 de setembro trouxe uma nova onda de conservadorismo

Shirley Manson fala sobre conservadorismo
 
 
 
 
 

O Garbage vem aí! A banda de rock formada por Shirley Manson, Butch Vig, Steve Marker e Duke Erikson toca em São Paulo no dia 10 e no Rio de Janeiro no dia 11 de dezembro.

E vocês podem esperar uma vocalista que não se cala diante dos ataques à democracia, às mulheres e às minorias.

Em entrevista a um canal de notícias australiano, esta semana, Shirley Manson disse que “o 11 de setembro fez eclodir uma onda mundial de conservadorismo”.

Uma das maiores mulheres do rock, Manson fez uma análise crítica da geração que veio após a dela, na década de 90, quando esse estilo musical era um dos que mais lutava por direitos iguais:

Sempre que o mundo fica mais conservador, mulheres são afetadas. E eu acho que isso é resultado da geração que se seguiu aos anos 90. As mulheres fizeram pouco caso dos seus direitos e não entenderam que os direitos humanos se corroem muito facilmente. É preciso estar vigilante o tempo todo pra que as conquistas das mulheres continuem em seu lugar.

Shirley Manson citou Michelle Obama, Serena Williams e a produtora Grimes como mulheres capazes de fazer a diferença atualmente.

Você pode assistir a essas e outras declarações da cantora por aqui.

O Garbage

Garbage

A banda americana está a todo vapor. Em junho eles lançaram o sexto álbum da carreira, o Stange Little Birds. Recentemente saiu um clipe para a faixa “Magnetized”.

O grupo ainda fará mais nove shows em 2016, dois no Brasil e outros sete pela América Latina.