O dia em que o Guns N’ Roses tocou para 12 pessoas com o Red Hot Chili Peppers

Mick Wall fala a respeito em capítulo de sua nova biografia sobre a banda

Mick Wall lança biografia sobre o Guns N Roses
 
 
 
 
 

Mick Wall é um dos nomes mais importantes quando o assunto são biografias do rock and roll.

O cara já escreveu livros sobre Ozzy Osbourne, AC/DC, Iron Maiden e Metallica, além de ter trabalhado como relações públicas de nomes que vão do Dire Straits até o Thin Lizzy.

Sua nova empreitada é um livro chamado Last Of The Giants: The True Story Of Guns N’ Roses, que fala sobre, é claro, a banda de Axl Rose.

Mick compartilhou um trecho da biografia e nela fala especificamente sobre Alan Niven, o primeiro empresário da banda, e vários “sustos” pelo qual ele passou quando soube que trabalharia com os caras:

Niven foi conhecer a banda na casa nova deles, em Laughlin Park, na área de Los Feliz em Los Angeles, que o empresário de Rod Stewart, Arnold Stiefel, havia alugado para eles antes de começar a ficar com medo. ‘Uma stripper conhecida da Sunset estava saindo quando eu cheguei,’ Niven se lembra. ‘Izzy estava lá e o Slash também. Mais ninguém. Iz me cumprimentou. Slash me mostrou a merda da cobra dele. Eu odeio cobras.’

Quando Niven conseguiu ir até um show da banda, Axl não apareceu para a primeira apresentação – e nem na segunda. Como ele explica: ‘Tendo assinado um contrato para trabalhar com a banda em Setembro de 1986, o próximo show que eles fariam seria como abertura para o Alice Cooper no Arlington Theatre em Santa Barbara. Alice iria fazer um pequeno show de demonstração para o mercado como conclusão para sua pré-produção de turnê. Ele precisava de alguém para abrir e era uma boa oportunidade para o Guns em um palco de tamanho razoável; eles só tinham tocado em pequenos clubes de Los Angeles até então.

Eu aluguei um grande Lincoln para levar todo mundo pelas centenas de milhas até Santa Barbara. Quando eu fui buscar o Axl ele disse que preferia viajar com o fotógrafo Robert John e seguir a caravana da banda até o show. ‘Sem problemas,’ eu pensei. ‘Agora o carro terá um pouco mais de espaço.’ Como fui idiota. A hora do show foi chegando e nada do Axl. A banda estava ansiosa. Eu achei que ele estava simplesmente se atrasando. Dez minutos antes do show não tínhamos um vocalista. Eu fui até o camarim e todo mundo estava devastado.

‘Não podemos tocar,’ disse Slash. Izzy só olhou pra baixo. ‘Eu quero que se foda,’ Niven disse a eles. ‘Temos um show para tocar e iremos tocar. Vocês que decidam quem irá cantar o que, mas vocês irão tocar, filhos da puta.’ A banda subiu ao palco abatida e Duff e Izzy deram o melhor para carregar o peso dos vocais. ‘Posso estar errado, mas acho que até o Slash se arriscou aos microfones. Ao final das contas foi provavelmente o pior show da história da banda. Da plateia eu conseguia ouvir todos os comentários negativos – ‘Eu ouvi dizer que essa banda era boa. Cara, é uma merda.’ Pode ser, mas naquele momento Slash, Izzy, Duff e Steven ganharam o meu coração pelo comprometimento em uma situação ridícula.’

Mick Wall conclui, então, falando sobre outro show que entrou para a história da banda, de forma negativa:

O comprometimento foi mais uma vez testado no próximo show. Escalado para abrir para o Red Hot Chili Peppers no campus da UCLA, apenas 12 pessoas apareceram. ‘Doze! Eu contei. Pensei, que ótimo. Que merda eu fui fazer quando entrei nessa com Tom Zutaut e essa porra dessa banda? Uma hora o vocalista não aparece, na outra o público não aparece.’

O livro já está à venda e foi lançado no dia 17 de Novembro.