O Tenho Mais Discos Que Amigos já anunciou o lançamento essa semana e nós reforçamos: o hotsite da coleção pessoal de discos do Jeff Buckley é incrível.

Para quem ainda não viu, o site reúne discos que o artista guardava em sua prateleira, e além de poder conferir suas influências, o usuário pode ouvir ao catálogo no Spotify. Um excelente timing, já que seu último disco póstumo foi criado a partir de sobras de estúdio com releituras de músicas que estão em sua coleção e no site.

E um dos motivos que torna tudo incrível é que sites institucionais de artistas têm cada vez menos apelo. Diferentes mídias sociais parecem engolir e suprir todo conteúdo que os fãs demandam do artista e são exatamente projetos interativos que ganham espaço hoje e chamam atenção.

Listamos aqui algumas aspectos relevantes, principalmente para artistas e bandas que queiram movimentar suas obras na internet:

1Ele é, na verdade, uma ação para promover o último disco do Jeff Buckley

Alguns meses se passaram desde o lançamento da coletânea You And I, que traz raridades retiradas direto do cofre de Jeff. As ações de lançamento já acabaram e o normal é que a gravadora tenha alguma campanha para fazer a manutenção do produto. É uma maneira de manter o lançamento relevante e na mídia algum tempo depois.

2Integração com Spotify é a chave da campanha

Mais do que um gancho jornalístico para falar do lançamento, ele de fato leva o usuário a ouvir o disco no Spotify, gerando receita através da plataforma. Além disso, grande parte dos discos do catálogo no site também são da Sony Music, o que contribui para aumentar o interesse da gravadora na ação.

3Interação com o usuário é bem mais legal

Pense bem, qual foi o último site de artista que você visitou? Sites institucionais fazem sentido ainda, mas acredito ter hoje um viés mais comercial, funcionando bem para contratantes, mídia e consulta. Alguns sites chamaram a atenção recentemente, como um do David Bowie desenvolvido por fãs, que faz um paralelo com a idade do usuário com o que o Bowie havia feito ou estava fazendo na época. A Warner Music também lançou um site interativo para o Smiths, onde é possível conhecer a história do grupo acompanhado de músicas integradas pelo Spotify.

4O mercado internacional está valorizando esse tipo de iniciativa

A empresa que desenvolveu a estratégia foi a Fame House, empresa americana que inclusive atua de forma semelhante em algumas áreas à Milk. No início do ano, a agência foi comprada pela Universal Music Group, com o intuito de acelerar iniciativas direct-to-fan, estratégias de mídias sociais e cobertura para eventos offline.