Wilco toca para a “plateia mais quieta que já viu” na Bélgica – vídeos

Apesar de publico passivo, banda faz grande show em festival belga

 

Jeff Tweedy mandou um recado não muito discreto ao publico que assistia ao Wilco, principal atração da primeira noite do Cactus Festival nesta sexta-feira (8 de Julho). Já próximo do fim do show de uma hora e meia, o vocalista disse que aquela era “a plateia de festival mais quieta que já vi na vida”.

O publico se manifestou gritando com o intuito de mostrar que seguiam ligados no show, porém receberam outro recado de Tweedy: “Está tudo bem, eu não quero a sua simpatia”, respondeu em tom de brincadeira.

Apesar do publico quieto, o Wilco foi um grande fechamento para a primeira noite do festival que começou há 34 anos em Bruges, na Bélgica. O grupo de Chicago tocou 17 músicas e passou por 7 discos da carreira. A noite começou com três músicas de Star Wars, álbum mais recente da banda. Na sequência foram, “More…”, “Random Name Generator” e “The Joke Explained”.

Em seguida veio “Art of Almost” e apesar da grande performance de Nels Cline no palco, uma falha no som deixou o momento incompleto. No melhor dos casos, somente quem estava ao lado esquerdo do palco escutou sua guitarra, ponto alto da música. Para a outra metade (de onde o Diário de Palco assistia), era como se a guitarra estivesse desligada. Algumas músicas depois o problema foi resolvido.

Pontos Altos

Alguns dos poucos momentos de empolgação do público foram os inícios de “I’m Trying to Break your Heart”, com uma suave manifestação indicando que reconhecia a música; “Camera” soou diferente da versão de estúdio do aclamado Yankee Hotel Foxtrot, com mais “pegada”; Em “Via Chicago”, Nels e Glenn (guitarrista e baterista) deram muito mais destaque aos solos de bateria e guitarra, criando um belo “caos programado” diversas vezes durante a música (assista abaixo).

Dos poucos momentos de interação entre banda e público, em “Jesus, Etc.” se pode escutar o coro de vozes cantando, ainda que tímido; também em “King of You” houveram palmas sincronizadas com o contrabaixo durante boa parte da canção;

A noite acabou com “Impossible Germany” e também com palmas durante a música, reconhecendo uma das principais músicas da banda e especialmente a novamente impactante performance do guitarrista Nels Cline.

Wilco-Cactus-Festival-2016-4

Ao final Nels ainda trocou de guitarra para tocar mais uma música, porém viu seus companheiros de Wilco agradecendo a plateia e deixando o palco. O tempo programado para o show estava de fato terminado (pontualmente às 1h da manhã), porém talvez o publico calado tenha desanimado o restante da banda, já que também não houve bis. Nos outros show da turnê Européia, “The Late Great” é a música que vem em seguida.

O festival

Há 34 anos o Cactus Festival faz uma festa bacana no Minnewaterpark. Se trata de um evento de três dias com artistas locais e internacionais de diversos gêneros. Em 2016, além do Wilco, se apresentaram nomes como Air, Damien Rice, Black Box Revelation, Goat, Laura Mvula e Calexico, entre outros.

Apenas um palco e cinco atrações na sexta-feira, além de outras oito (por dia) no sábado e domingo. Havia uma área de alimentação na entrada, longe do palco e sempre com mesas livres, e também uma imensa oferta de diferentes comidas – até sanduíches de carne de canguru e crocodilo. Um banco oferecia lockers e espaço para carregar o celular gratuitamente. Apesar do amor da Bélgica pelas cervejas, pouco vimos do típico comportamento de bêbado que é comum em aglomerações festivas.

A festa para as crianças também foi grande: além da entrada gratuita (até os 12 anos) ou ingresso por 15€ (⅓ do preço) para as de 13 e 14, elas também “trabalharam” e se divertiram recolhendo todos os copos e garrafas plásticas usadas, que eram trocados por dinheiro dentro do festival.

Veja abaixo algumas fotos do evento:

 

   
 
Compartilhar

Comentários