Far From Alaska recebe prêmio no Midem, na França
Far From Alaska recebe o prêmio "We Are The Future"
 

Você nem precisa nos dizer, mas podemos chutar com grandes chances de que acertaremos, ao imaginarmos que a frase “o rock morreu” foi dita por alguém ao seu redor nos últimos meses.

É comum ver e ouvir um montão de gente dizendo que aqui no Brasil o estilo já teve seu tempo, que não há mais bandas boas e que as únicas coisas que realmente importam foram lançadas há algumas décadas.

É fato que o rock não está em evidência no mainstream, e se a percepção por acaso for diferente, basta olhar para os números, diretos e frios, que apontam a ausência completa do gênero nas rádios brasileiras, como aconteceu no ano passado quando a lista com as 100 músicas mais tocadas de 2015 foi disponibilizada.

O grande lance, porém, é que o mainstream não é tudo nesse mundo, e no underground e circuitos alternativos, o rock nacional pulsa firme e forte já há algum tempo. Nós aqui do TMDQA! já repetimos isso algumas vezes em todas as nossas mídias, posts, podcasts e matérias especiais e não nos cansamos de dizer.

Cada vez que publicamos matérias com bandas nacionais, o fazemos com a certeza de que a música brasileira vai muito bem com o rock and roll em grande forma. Se o público em geral ainda não percebeu, na verdade o problema é deles.

O último final de semana foi bastante emblemático para reforçar mais uma vez como estamos produzindo material de qualidade por aqui, a ponto de outros países estarem prestando atenção na nossa cena e nas nossas iniciativas.

Na Europa, enquanto rolava o icônico festival Primavera Sound em Barcelona, a sempre ótima banda potiguar Far From Alaska estava em Cannes, na França, mais precisamente no Midem, um dos maiores encontros mundiais de empresas ligadas à música que acontece anualmente desde 1967.

Não apenas os caras e as meninas apresentaram por lá o peso de seu rock and roll cheio de riffs e grandes vocais com um show, como também ganharam o prêmio “We Are The Future”, onde concorriam com outros 11 artistas de todo o mundo pelo posto de revelação.

#Repost @midem.official (via @repostapp)
・・・
Go @farfromalaska! Rocking the #midem50 Opening Night Party #midem #bynight

Publicado por Far From Alaska em Sábado, 4 de junho de 2016

 

De volta à Espanha, o festival catalão que teve nomes como Radiohead, Sigur Rós e Brian Wilson entre as principais atrações, também teve sua porção de nomes brasileiros.

Bandas sobre as quais falamos por aqui com frequência como INKY, O Terno, Water Rats, Mahmed, Quarto Negro, Nuven e Aldo, The Band, se apresentaram no Primavera e eventos relacionados, e mostraram vários lados do rock and roll nacional da nova geração. Do rock eletrônico ao hardcore passando pelo indie, o cardápio brasileiro foi extenso para que os gringos pudessem degustar a partir de parcerias com produtoras nacionais como A Construtora e Balaclava.

Além disso, em conferências que rolam durante o evento, nomes brasileiros como Anderson Foca (DoSol), Fabrício Nobre (Bananada / A Construtora) e Dani Ribas falaram e trocaram ideias sobre como realizam seus festivais e iniciativas culturais por aqui, exportando soluções e incorporando ideias em uma troca que, além de benéfica para todas as partes, mostra que há muita coisa no caminho certo acontecendo no Brasil.

Rock Nacional

Há milhares de pessoas vivendo, respirando e trabalhando diariamente para que a música brasileira siga em frente, incluindo o bom e velho rock and roll.

A insistência de tantas peças para que o bom trabalho seja mostrado, divulgado e compartilhado e a vontade resumida em fazer a máquina girar são fatores fundamentais para que a gente tenha, ano após ano, cenas mais fortes, bandas mais competentes e mostre que há muita coisa boa por aqui.

Além das ações todas citadas acima, nos últimos anos tivemos bandas como Scalene, Black Drawing Chalks, Hellbenders e o próprio Far From Alaska tocando no importantíssimo SXSW, em Austin.

Outro nome que esteve por lá recentemente foi o Boogarins, de Goiânia, que acabou de encerrar uma extensa e elogiada turnê pelos Estados Unidos e era atração confirmada no influente Levitation Fest, que acabou não acontecendo pelo mau tempo.

Aqui no Brasil temos o festival João Rock esgotando milhares de ingressos rapidamente com atrações do passado e um palco dedicado exclusivamente à nova geração. Mais eventos pelo país como Porão do Rock, Abril Pro Rock, Goiânia Noise, Psicodália e tantos outros dão sempre espaço para a música brasileira e são inúmeras as ações nesse sentido. Acabamos de ver, por exemplo, o EDP Live Bands celebrar uma banda brasileira com um contrato para gravação de disco e apresentação no festival NOS Alive, em Portugal.

Nós, como todos esses outros nomes, não deixaremos de divulgar a boa música brasileira por aqui e seguiremos sempre postando as nossas listas mensais com 5 bandas que você deveria conhecer bem como os lançamentos nacionais dos mais diversos que aparecem na nossa caixa de e-mail.

O rock nacional está aqui, pertinho da gente, e só depende do fã de rock consumi-lo para que seja cada vez maior. O rock nacional é foda.