Baterista do The Ghost Inside toca seu instrumento pela primeira vez desde acidente que o fez amputar a perna.

Em novembro de 2015, a banda de metalcore The Ghost Inside enfrentou momentos críticos após envolver-se em um acidente de ônibus que matou dois motoristas, amputou dois dedos do pé do guitarrista Zach Johnson e a perna do baterista Andrew Tkaczyk.

Quase seis meses depois, a banda tem se recuperado dos traumas, e o baterista Andrew, aos 28 anos, tocou seu instrumento pela primeira vez desde o ocorrido, com o auxílio de uma prótese para a perna.

Emocionada, Juli Tkaczyk, a mãe de Andrew, o acompanhou em mais esse grande passo e se disse muito feliz pelo filho, e que não pensou que ele seria capaz de fazer aquilo que ama novamente.

Após o acidente, foi criada uma campanha na plataforma GoFundMe, com o intuito de ajudar a banda com as despesas médicas e outros custos necessários. A meta de 150 mil dólares já foi ultrapassada e atingiu, até o momento, $158,077. A gravadora Epitaph Records também decidiu doar todos seus lucros em vendas de discos do Ghost Inside para ajudar na recuperação do grupo.

Leia a declaração de Andrew Tkaczyk e em seguida, o vídeo de seus primeiros passos e grooves, de volta ao seu instrumento de paixão:

Estou me sentindo incrível. A dor tem diminuído ao longo dos últimos meses. Meu joelho está melhorando, minhas costas já não doem com tanta frequência e meu membro residual tem se fortalecido bastante. Estou progredindo e fazendo mais do que eu conseguia na semana passada, mais do que eu fiz no dia anterior. Eu tento fazer todos os dias algo que eu não tenha feito no dia anterior, mesmo que seja algo pequeno. Honestamente, a parte mais cansativa é o passeio de 70 minutos de carro de ida e volta todo dia. Mas tudo bem.

Temos trabalhado no meu ombro e cotovelo. Eu ainda tenho sensibilidade que percorre todo o caminho, desde a ponta de meus dedos até meu ombro e parte de minhas costas. Cortar minhas unhas é UM ‘EVENTO’. Mas há pequenas coisas acontecendo que são um bom sinal de melhora, lento, mas seguro.
Minha atitude desde o princípio tem sido ‘sem olhar pra trás’. Estou focado. Estou começando a andar e a tocar bateria novamente. Minha cabeça está no jogo.

Eu admito, eu tenho meus dias, assim como todo mundo. É difícil. Você percebe essas pequenas coisas que todos nós tomamos como bobeira todos os dias, como tomar um banho ou alcançar a prateleira de cima do armário para pegar uma caixa de cereal – como andar. Eu tenho experimentado o jeito mais difícil de perceber isso. Eu apenas tento me manter positivo.
Ajuda falar com os caras. Nos falamos todo dia. Todos estão fazendo exatamente o que eu estou fazendo, cada um em seu canto. Queremos nos encontrar quando todos nós chegarmos lá – talvez mais tarde neste verão, quando todos tivermos progresso em nossas terapias e nossos corpos se curarem mais. Fazem 5 meses desde que nos encontramos pela última vez.

Estamos todos focados na recuperação, mas nós temos um real objetivo agora, o que é legal – tocar na Vans Warped Tour em 2017. Alguns dos rapazes estiveram no show em San Bernardino, California, e foram até Kevin Lyman, que é um dos fundadores do Warped Tour e um cara realmente respeitado na indústria musical. Ele disse que ficou com o coração partido sobre o acidente e contou aos rapazes que quando anunciaria as bandas para 2016 no próximo dia, a primeira banda que ele iria anunciar era o The Ghost Inside para tocar na Warped Tour 2017. Esse é o nosso objetivo agora. Se formos capazes de fazê-lo, iremos, com certeza, 100 por cento. Todos nós chegamos até aqui em 5 meses, então daqui a um ano a partir de agora, nós devemos estar muito bem. Então, esse é realmente o objetivo.

O suporte de nossos fãs tem sido fenomenal. Eu li cada mensagem, uma por uma. Esse com certeza é um fator pelo qual minha atitude é a que é. Ter esse suporte – Eu não consigo explicar, é inacreditável.
E minha família tem sido fenomenal. Todos eles cuidam de mim. Eu sou definitivamente sortudo por tê-los. Eu tenho ótimos amigos por perto também. Alguns de meus melhores amigos da infância e eu nos encontramos todas as sextas. Nós assistimos a filmes e saímos. Dois deles trazem seus filhos – é uma explosão vê-los sendo apenas uma criança.

Às vezes nós saímos. Eles me levaram para assistir a “Batman vs. Superman”. Eu sou um grande fã dos quadrinhos, e eu tenho esperado por esse filme durante anos. Íamos esperar para assisti-lo, mas no dia em que estreou, decidimos que não aguentaríamos. Foi incrível ser capaz de sair. É realmente bom para a alma – fazer essas pequenas coisas te fazem sentir normal. Todos em casa têm estado lá por mim.

Toda essa experiência tem sido uma transformação de vida. Eu tenho estado na estrada desde que eu tinha 17. Toda minha vida, em tempo integral, tem sido gasta viajando ao redor do mundo, tocando em shows. Isso atingiu um ponto morto. Mas eu me ajustei. Ainda estou ajustando, todo dia. Eu admito que tenho meus dias – eu só quero dar o fora daqui, fazer algo. Eu fico um pouco irritado aqui e ali, mas eu só respiro fundo. Sei que sou sortudo.

Olhando pra trás, quando eu era um paciente internado no quarto andar e comparando a onde estou agora… É incrível. Ter o Dr. (Stephen) Bloom como meu médico, não poderia ser uma situação mais perfeita. Primeiramente, ele é um ótimo sujeito com uma grande personalidade. Em segundo lugar, ele é baterista também, então ele realmente entende meu caso e deseja que eu volte a tocar. É uma paixão que ele divide. Este lugar é notável.

A prioridade é andar. Essa é a número um. Mas eu não tenho dúvidas de que voltarei a fazer aquilo que amo, principalmente após minha sessão de terapia no outro dia. Sentei-me com um taco de golfe grudado em minha perna, e eu era capaz de tocar bateria como eu costumava tocar. Eles estão realmente desenvolvendo uma prótese diferente da minha perna-de-andar que será customizada, fabricada e montada ao set de bateria para me ajudar a ter mais poder. Estou confiante que voltarei a estar em turnê. Isso ainda é um pouco distante, mas eu estou muito confiante de que isso vai acontecer. Muito confiante.