Disco quebrado
 

Quando a gente fala sobre a experiência de um disco de vinil, sempre relacionamos o formato com o pacote completo, uma grande vantagem em relação às geladas faixas em plataformas digitais.

A arte da capa, a caixa, o encarte, o vinil colorido, até o cheiro: tudo isso é percebido pelo comprador de discos que quer ter os álbuns de suas bandas preferidas na coleção, mas ao que tudo indica, muita gente para por aí.

Uma pesquisa publicada pela Pitchfork mostra que a empresa ICM Unlimited questionou ouvintes de discos de vinil no Reino Unido a respeito dos equipamentos que eles têm nas suas residências para colocar o bolachão para girar.

De forma surpreendente, 48% de todas elas disseram que compraram pelo menos um disco de vinil no último mês mas não ouviram, e a BBC News complementa com o relato de um estudante em Manchester que disse ter o vinil apenas por motivos decorativos: “Dá aquela vibe old-school. É para isso que o vinil serve.”

Desses números, 41% têm vitrola em casa, mas não utilizam, e 7% nem têm o equipamento.

Vendas de vinil não param de crescer

É importante ressaltar que hoje mesmo a gente publicou por aqui uma matéria falando sobre como as vendas de discos de vinil no Reino Unido não param de crescer há anos.

Em 2016, segundo as atuais projeções, elas podem inclusive chegar ao impressionante patamar dos anos 80.