Jay Bentley, do Bad Religion
 

Foto por Lollapalooza Brasil / I Hate Flash

No último sábado, 12 de Março, o Bad Religion fez um show impecável para fechar a tarde do primeiro dia de Lollapalooza Brasil 2016. Um pouco antes da apresentação, que você vê completa aqui e lê mais detalhes aquiJay Bentley, baixista e um dos membros fundadores da banda, conversou rapidamente com o TMDQA! Veja abaixo como foi a entrevista:

TMDQA!: Como você se sente em se apresentar novamente no Brasil, em um festival como o Lollapalooza? 

Jay Bentley: Você sabe… nesses nossos 36 anos de carreira, nós tocamos no Brasil desde 1993. E na primeira vez que nós viemos para cá, pra gente foi muito especial, e eu lembro que a gente estava assustado porque era algo gigantesco, é um país muito grande. Nós sempre pensamos no Brasil como um país que a gente gosta de vir. Então… quando o Lollapalooza perguntou se a gente queria estar aqui, a gente topou.

É uma coisa um pouco fora da nossa zona de conforto, não é exatamente o que a gente faz, é algo diferente. Vir aqui e tocar para um monte de gente que talvez não saiba exatamente quem nós somos é algo diferente para fazer e a gente topou justamente porque é arriscado e é isso que nós somos! (risos)

TMDQA!: Vocês fizeram um show recentemente na Colômbia e na oportunidade apresentaram o novo baterista da banda, Jamie Miller, que ficou no lugar de Brooks Wackerman, que decidiu passar a tocar no Avenged Sevenfold. Como foi o processo de escolha de um novo baterista? 

Jay Bentley: Nós pensamos em algo como uns 15 caras e muitos deles chegaram até nós como recomendações de amigos. Nós ligamos para pessoas que conhecemos e perguntamos: “O que você acha?” / “Quem você conhece?”. Jamie, na realidade, veio pelo Brian (Baker) e pelo Zac (Blair, guitarrista) do Rise Against. Ele ligou pro Brian e disse “Tenta esse cara, o Jamie”. Nenhum de nós o conhecia, então quando ele apareceu, nós vimos que ele era alguém que de fato nenhum de nós conhecia. Mas quando ele se sentou para tocar, era genuinamente um de nós. Ele realmente tinha um certo estilo, um certo jeito de tocar, sua habilidade para tocar as coisas que a gente meio que pedia… era tudo fácil pra ele. Foi fácil pra gente perceber que ele era realmente natural para o que queríamos, que ele ia funcionar conosco. Ele saca as nossas piadas, ele sabe o jeito como se encaixar no que estamos fazendo, ele é realmente um cara legal.

TMDQA!: O cara perfeito para vocês… 

Jay Bentley: Ele é muito parecido com o Bobby (Schayer, baterista do Bad Religion de 1991 a 2001), quando entrou pra banda. O Bobby começou a tocar, fez várias piadas e quando a gente perguntou: “Que músicas você sabe?”, a resposta dele foi “Todas elas”. Então ele entrou pra banda… foi muito fácil!

TMDQA!: O último disco de vocês foi o True North, de 2013. Vocês já estão pensando em começar a gravação de um novo disco? 

Jay Bentley: Sim. Nós estamos pensando em começar no final desse ano, entrar no estúdio, então é por isso que temos algumas datas de turnê que não têm de verdade qualquer outro propósito a não ser fazer a banda aprender a rodar com o Jamie, pra começar a nos sentir como uma banda de novo e depois entrar no estúdio no final do ano e provavelmente lançar um álbum no começo do ano que vem. Essa é parte de um plano, planos mudam, especialmente quando você tem 36 anos de carreira, você nunca realmente sabe o que vai fazer. Agora com a banda que está aqui, eu geralmente sou o homem com o calendário, então eu tenho que bloquear a agenda e vejo alguma coisa lá perto de Outubro, então, Outubro está riscado na caneta, mas tudo o que vier depois disso é “Quem sabe?”.

TMDQA!: Bom, falando em lançamentos, também em 2013 vocês lançaram um EP chamado Christmas Songs e um monte de gente achou isso um pouco estranho por conta da relação que vocês têm com religião enquanto banda. Que razões motivaram vocês a lançar o trabalho? 

Jay Bentley: Bom… nós talvez tenhamos mesmo uma relação diferente com religião, mas isso não faz a gente ter uma relação diferente com música, né? (risos). Nós todos achamos que músicas de Natal são músicas muito bem escritas, muito bem trabalhadas. Então se você tirar a espiritualidade fora disso, músicas de natal são boas e, muitas bandas têm feitos muitas músicas de natal realmente divertidas. Com certeza as pessoas esperavam que o Bad Religion fizesse um disco com músicas de natal irônicas ou engraçadas, mas nós dissemos “Não… não vamos! Vamos dar a essas músicas o crédito que elas merecem e tentar de verdade fazer um bom disco… Uma coisa que realmente desafie o Bad Religion”. Mas tinha que ser uma coisa que não seria engraçada; a ironia é o fato de que nós fizemos um disco de Natal, mas que não tinha a pretensão de ser engraçado. Foi feito do melhor jeito que nós poderíamos ter feito. E isso é realmente estranho! (risos) 

TMDQA!: Mas eu acho que foi legal por isso, né?  

Jay Bentley: É, foi sim!

TMDQA!: Última pergunta! Você tem mais discos que amigos? 

Jay Bentley: Nesse ponto da minha vida eu tenho 6 discos. (pausa dramática)

TMDQA!: Então… 

Jay Bentley: e eu tenho 3 amigos (gargalhadas!)

TMDQA!: Então você tem mais discos que amigos! (risos)

Jay Bentley: Sim! E isso foi muito legal!

TMDQA!: Muito legal! Obrigada, Jay! Muito obrigada!

Mais #BadReligion no @lollapaloozabr , agora com “Infected” #LollapaloozaBrasil #tmdqanolollabr #Lollapalooza #lollabr2016 #tmdqanololla Um vídeo publicado por Tenho Mais Discos Que Amigos! (@tmdqa) em