Volta e meia aqui no Faixa Título alguns clássicos do jazz serão relembrados, resgatados, simplesmente… porque sim. E o post de hoje é dedicado a Happenings, maravilha de Bobby Hutcherson lançado há (quase) exatos 50 anos, no dia 08 de fevereiro de 1966.

Conheci Bobby Hutcherson quando, completamente bêbado, gastei uma fortuna na reedição em vinil de Stick Up! (1966) em uma feira de discos na Praça Dom José Gaspar, em São Paulo. Eu nunca tinha ouvido falar em Hutcherson, muito menos em Stick Up!, mas conhecia algumas gravações de jazz com vibrafone, e comprei o disco sem mesmo dar um Google pra descobrir do que se tratava.

No dia seguinte, livre dos efeitos da cerveja barata, botei Stick Up! pra tocar e fiquei encantado. Aos poucos comecei a explorar a discografia de Hutcherson, e logo me deparei com Happenings, lançado alguns meses antes de Stick Up!.

Bobby Hutcherson

Em Happenings, Bobby é acompanhado somente por baixo, bateria e piano – comandado pelo maestro Herbie Hancock – e se sustenta no hard-bop clássico (“Aquarian Moon”,  “Head Start”) e em belíssimas baladas como “Bouquet” e “When You Are Near”. O disco ainda flerta com ritmos latinos em “Rojo”, e inclui um clássico de Hancock, “Maiden Voyage”, que batizou o disco homônimo lançado pelo pianista naquele mesmo ano.

Mas sem dúvidas minha preferida de Happenings é “The Omen”, a última do álbum, um flerte com o free jazz que ganha ares psicodélicos com o caos promovido pelo vibrafone e pela bateria. Certamente muito além da calmaria que normalmente o vibrafone nos inspira.

Happenings foi relançado em vinil em 2015 pela Blue Note, e pode ser encontrado ou encomendado nas melhores lojas do ramo.