“Ué, mas o primeiro disco do Green Day não é o Dookie?”

Essa pergunta recorrente foi feita por muitas pessoas nos anos 90 quando o trio de pop/punk da East Bay, na Califórnia, estourou com hits como “Basket Case”, “Longview”, “She” e “When I Come Around”.

Mas não, Dookie não é o primeiro disco do Green Day. Ele foi o primeiro, sim, por uma grande gravadora, mas o terceiro na carreira do grupo que foi fundado em 1986.

Antes dele, no início dos anos 90, o grupo lançou uma série de EPs e músicas em coletâneas que acabaram se transformando no álbum 1,039/Smoothed Out Slappy Hours (1991), e um ano depois veio um novo álbum na forma de Kerplunk (1992).

O disco foi lançado em 17 de Janeiro daquele ano e está completando 24 anos desde que veio ao mundo.

Kerplunk

Como em todos os discos do Green Day, Kerplunk teve a maior parte das suas letras compostas pelo vocalista e guitarrista Billie Joe Armstrong.

A faixa que abre o álbum, “2000 Light Years Away”, tornou-se uma das favoritas dos fãs, é tocada até hoje, e fala sobre a distância entre BJ e Adrienne Armstrong, sua atual esposa. Há no álbum, inclusive, uma outra música dedicada à amada de longa data. “80” fala sobre Adrienne e tem no título uma brincadeira com “eighty” (oitenta) e sua pronúncia parecida com o apelido de Adrienne.

Uma das canções que não foi escrita por Armstrong é “Dominated Love Slave”, uma brincadeira com o country onde o baterista Tré Cool assume a guitarra e os vocais e deixa a bateria para Billie Joe.

Durante muito tempo esse foi um dos momentos celebrados pelos fãs ao vivo, já que os dois trocavam de papéis e brincavam com a canção, que tem uma letra cheia de referências sexuais.

Tré Cool

Por falar em Tré Cool, esse foi o primeiro disco do músico com a banda. Ele substituiu John Kiffmeyer (Al Sobrante) e trouxe novos aspectos à sonoridade da banda. Não apenas gravou “Dominated Love Slave” como trouxe um estilo bastante próprio que dura até hoje com os lançamentos mais recentes do Green Day.

Recepção

Foi justamente por conta da recepção calorosa de público e crítica que o Green Day explodiu com Kerplunk e posteriormente tornou-se um dos grandes no rock mundial.

A banda lançou o álbum novamente pela Lookout! Records, com quem tinha trabalhado em seus outros títulos, e vendeu cerca de 50 mil cópias dele (hoje já são 4 milhões no mundo todo), acompanhadas de turnês pelos Estados Unidos (onde viajava em uma biblioteca móvel adaptada) e Europa.

Não demorou muito para que as grandes gravadoras percebessem que o Green Day lotava todos os seus shows e vendia muitas cópias de um álbum lançado por uma gravadora independente e o assédio começou a ser bem frequente.

O resultado veio na forma de um contrato com a major Reprise Records, o lançamento de Dookie em 1994 e a banda na posição de uma das grandes responsáveis pelo revival do punk nos anos 90 ao lado de nomes como The Offspring, Rancid e NOFX.

Se por um lado os fãs mais puristas criticaram o trio e chegaram a “banir” seus shows de casas lendárias onde o grupo começou como a 924 Gilman Street, por outro o Green Day tornou-se um dos nomes mais influentes da década e continuou firme e forte na gravadora onde tem contrato até hoje.

Edições

Green Day - Kerplunk

Em sua versão normal, o álbum conta com 12 faixas e passa por outras favoritas dos fãs como “Christie Road”, “No One Knows” e “Who Wrote Holden Caulfield?”. No álbum ainda aparece a versão original de “Welcome To Paradise”, regravada depois em Dookie.

Na versão estendida aparecem quatro faixas bônus de quando o Green Day ainda se chamava Sweet Children e tinha Al Sobrante nas baquetas. São elas “Sweet Children”, “Best Thing In Town”, “Strangeland” e uma cover de “My Generation”, do The Who.

Aqui no Brasil essa versão com as faixas bônus foi lançada pela Paradoxx quando a gravadora investiu em diversos nomes do punk rock mundial para trazer seus lançamentos por aqui.

Capa e Encarte

Green Day: a história de Laurie L. no encarte de Kerplunk

A capa do disco do Green Day é bastante característica e traz uma imagem da personagem Laurie L. que se transformou em tatuagem na pele de muitos fãs ao redor do planeta.

No encarte a história de Laurie é contada e fala sobre como a moça cometeu alguns crimes para assistir à sua banda preferida, o Green Day.

A história pode ser lida por aqui.

Kerplunk, segundo disco de estúdio do Green Day, foi lançado em 17 de Janeiro de 1992.