Merda, esta banda de belo nome, é um projeto liderado por Fabio Mozine, conhecido como baixista da banda de hardcore Mukeka Di Rato e dono da influente gravadora Laja Records.

O grupo está lançando um novo split com a banda de hardcore norte-americana Flag Of Democracy, fundada nos anos 80 e nome importante do movimento que explodiu na região de Washington e foi fundamental para o surgimento de diversos subgêneros nos anos seguintes.

Em primeira mão, o TMDQA! conseguiu não apenas o streaming desse EP, que faz parte de uma série onde o F.O.D. irá dividir o vinil com outras bandas como The Dead Milkmen, mas também uma entrevista com Mozine e a explicação sensacional do cara a respeito de sua capa.

Veja logo abaixo.

 

TMDQA!: Como surgiu o convite para participar dessa série com o Flag Of Democracy?

Mozine: Conheço a banda e os caras desde a época do Mukeka di Rato na sound pollution, tipo 1999.  A gente tinha contato às vezes e eles sabiam q éramos fãs do FOD e eles também conheciam a gente.  Acabou rolando naturalmente, conversando.

 

TMDQA!: Que músicas o Merda escolheu para fazerem parte do trabalho?

Mozine: Nós gravamos 8 músicas no Estúdio Costella, produzidas pelo Chuck há alguns anos. A ideia era que as oito músicas seriam para esse EP, mas achamos que ficaria muito grande e prejudicaria o som do vinil. Acabamos usando três músicas dessa gravação (as três em Português) para o split 7” com Os Estudantes, que eu mesmo lancei pela Laja em parceria com a HBB, e as outras cinco foram pro estrangeiro.

 

TMDQA!: O lançamento é uma parceria da Laja com a SRA. Que versões estarão disponíveis para venda aqui no Brasil e lá fora?

Mozine: Creio que a única opção de compra desse material será no formato 7”.  Há a possibilidade de subir as músicas no formato digital pra comprar em itunes e outras plataformas e também já trabalhamos num projeto de lançar o vol. 2 do “Minha Linda Coleção de EPs” do Merda. Nesse caso, todas essas músicas estariam disponíveis.

 

TMDQA!: O Flag Of Democracy é uma banda formada em 1982 que tem muita estrada e shows com gigantes do hardcore como Minor Threat e Agnostic Front. Como é dividir um lançamento com o grupo? Que tipo de referências em comum entre as duas bandas podemos ver no trabalho?

Mozine: Me sinto honrado, não só por eles estarem na estrada há esse tempo todo, mas por serem uma banda BOA.  A única referência comum entre as duas bandas é tentar arriscar umas letras em japonês e tentar misturar a velocidade do hc fast com umas tentativas de vocais melódico. Uma das bandas que influenciou o Merda a tentar usar mais melodia nas vozes foi o FOD, pena que não deu certo! (risos)

 

TMDQA!: Quais são os planos do Merda para o futuro?

Mozine: Lançar o CD Minha linda coleção de EPs vol 2, lançar um 7” com a banda mexicana Hellmaiztros (já está gravado, só falta prensar), relançar algum álbum clássico da banda em 12” (possivelmente o primeiro será o Carlos) e fazer uma tour no Japão ou nos EUA.

 

TMDQA: Por fim, nos conte a história da capa do disco, que envolve uma conversa com a sua mãe.

Mozine: Na minha casa sempre existiu um pano de prato angustiante. Gnomos, um pé de uma fruta que é tipo um caju gigante, coloridos, borboletas e corações voando, e os gnomos fumavam cachimbos.  Até que um dia, na hora que eu estava tomando café, olhei pra cara da minha mãe e falei: “Ô velha, que porra é essa, maluco? Porra.” Aí ela contou que quando era jovem, no final da década de 60, ela fez um curso de pintura, e a mulher pediu pra ela pintar isso.  Eu perguntei qual era o nome desse bicho que ela pintou.  E ela falou, ah, é um bichinho, um bonequinho.  Eu falei, “Mãe, isso é um gnomo fumando maconha,” e ela me disse: “o que é gnomo?”

Abracei-a e terminamos o café.

Mozine, sua mãe e o pano de prato de gnomo

Faixa a faixa

Logo abaixo você pode ver um faixa a faixa com as canções do EP comentadas por Mozine.

“Giga Pudding” – uma versão hc de uma propaganda clássica de pudins feita no Japão nos anos 80. Uma febre horrível da internet, escreve isso aí no seu YouTube e nunca mais serás o mesmo. Cantada em japonês. Vai virar clipe agora, feito pelo casal de amigos Raquel de la Rocha e Alcides Junior.

“El Puente Bar” – um amigo chamado Shigero Sato, japonês, grande apoiador da tour do Mukeka di Rato no Japão, montou um bar em Yokohama com esse nome.  Eu fiz essa músicaque é tipo uma vinheta do bar dele.  Cantada em japonês e inglês.

“Dogs” – Uma música que fala que cachorros são melhores que humanos. Cantada em inglês.

“Can i Try the Hell?” – Uma música que queremos ir pro inferno. Nítida influencia do fyp (xilofone) e de FOD (tentativa ultra melódica de vocal) que ficou bem desafinadinho, mas a gente deixou assim mesmo.

“ITAKO NO ITAROH CHYOTONI NAREBA” – primeira frase de uma música japonesa repetida sem parar, confira a original nesse link.

 

Ouça o EP na íntegra logo abaixo e compre o disco em pré-venda por aqui. A data de lançamento oficial é 27 de Novembro.

Os outros splits do F.O.D. serão lançados com The Dead Milkmen e Ex Friends.