ÀBrasa Concede Música Para Audição, Entrevista e Fotos Exclusivas para o TMDQA!
 
Ouça o novo single da Majur!

ÀBrasa Concede Música Para Audição, Entrevista e Fotos Exclusivas para o TMDQA!

Fotos por Ewerton Gomes

O quarteto de hardcore instrumental, ÀBrasa, formado há 2 anos em São José dos Campos, São Paulo, por Diego Xavier (guitarra), Frederico Stigliano (guitarra), Ascânio Andrade (bateria) e Filipe Annechino (baixo), lançará seu álbum de estreia neste mês.

OSSO!, registro que chega após o EP Café com Ervas (de 2010), foi gravado e produzido por Diego Xavier, e conta com mixagem e masterização do experiente Gabriel Zander (Noção de Nada, Deluxe Trio, Zander).

Parceiríssimos, além de concederem uma bela entrevista sobre a carreira e os planos da banda, os caras fizeram uma sessão de fotos exclusiva para nós (interagindo com belíssimos vinis), e liberaram o single “Bem Passado” para audição.

Antes de liberarmos o material para você conferir, aproveitamos para avisar que o grupo tocará nesta quarta-feira (4 de julho), em São José dos Campos. Ainda neste mês, no dia 22, a ÀBrasa vai à cidade de São Paulo para subir no palco do lendário Hangar 110. Clique sobre as imagens para ampliá-las e obter informações sobre os shows.

flyer-àbrasa-hocus-pocus-julho-2012 flyer-àbrasa-hangar110-julho-2012

 

TMDQA!: Como a ÀBrasa surgiu? Vocês já tocavam em outras bandas?

Criamos a banda em agosto de 2010. A ideia surgiu em conversas entre o Filipe, que tocava na Elísio, e o Marcelo Bastos, nosso primeiro baterista, que toca na Lo-fi. O Diego (que atualmente também toca no Sin Ayuda) era companheiro do Filipe na Elísio e abraçou de cara o projeto. Já o Fred foi convidado pelo Marcelo, que tinha se dedicado por anos ao estudo musical, mas ainda não tinha engatado em uma banda. Hoje em dia, o Ascânio, que tocava na Lockfist669 e que atualmente toca na Alianzza, assumiu a bateria com tudo, acrescentando muito peso e criatividade à banda.

TMDQA!: É um tanto quanto raro acharmos grupos de hardcore instrumental. O que os levou a optar por não ter um vocalista?

A real é que, na época, a gente não conseguiu pensar em nenhum vocalista aqui da área para tocar esse tipo de som. Passamos a gostar da ideia de tocar apenas instrumental, a exemplo de algumas bandas de blues, jazz, groove, música jamaicana e rock’n’roll que sempre gostamos, porém, sempre com um pé (ou às vezes até dois) no hardcore.

TMDQA!: Uma das vantagens disso é que vocês podem convidar quem quiserem para cantar. Como foi para vocês a experiência de tocar com integrantes do Bullet Bane, Malvina, Leptospirose e Bayside Kings?

Isso lavou a nossa alma. Porque nem imaginávamos nossas músicas com vocal, e todos os amigos que convidamos nos surpreenderam. Esperamos encontrar com eles o máximo de vezes, para tocar ao vivo. Já tivemos algumas oportunidades dessas, e foi muito gratificante.

TMDQA!: Como vocês escolhem essas participações especiais?

Gostamos muito de conhecer pessoas, firmar amizades. Escolhemos convidar algumas que acabamos encontrando pela caminhada e que admiramos. Se tudo der certo, que seja sempre assim.

TMDQA!: E as letras? Vocês que as compõem ou são os próprios convidados?

Liberdade total ao cantor.

TMDQA!: É interessante observar as influências da banda, que vão desde Led Zeppelin a Comeback Kid. Como vocês fazem para extrair um pouco de cada uma delas?

Ouvindo bastante todos os tipos de música, conversando sobre isso sempre e respeitando as referências de cada um. Como todos na banda compõe, aí a mistura surge de maneira natural.

TMDQA!: Qual é a maior dificuldade que enfrentam como uma banda de hardcore instrumental? Isso atrapalha em algum momento?

Na verdade, nem nós mesmos sabemos se podemos ser considerados uma banda de hardcore. O público, associa bastante, o que tem sido bastante positivo. Algumas pessoas, é claro, não gostam de música instrumental, mas felizmente isso não atrapalhou até agora.

TMDQA!: Bem, OSSO! marcará o primeiro álbum de vocês. Quais são as expectativas para o lançamento e os planos após o mesmo?

O plano é bem simples: tocar no máximo de lugares que tivermos oportunidade e dar um gás nas músicas novas para os futuros lançamentos. Lançar algo em vinil, por exemplo, é um sonho que vamos batalhar para realizar.

ÀBrasa Concede Música Para Audição, Entrevista e Fotos Exclusivas para o TMDQA!

TMDQA!: Como foi o processo de gravação do material?

Foi Osso. Não tínhamos um centavo no bolso. O Diego utilizou na gravação tudo o que tivemos ao nosso alcance. Em seguida, jogamos o material na mão do Bil (Zander) para dar um calor a mais no som. Deu certo. Foi o maior aprendizado da banda até agora com certeza.

TMDQA!: O álbum trará quantas faixas e como foi a escolha do material que o compõe?

São 10 faixas. Descartamos algumas músicas pelo caminho. Teve uma que chegou até a viajar pelo jazz… nada a ver.

TMDQA!: Falem para gente um pouco sobre “Bem Passado”: Como ela surgiu e por que foi escolhida como single?

Muitas das músicas surgiram em sessões descontraídas na casa do nosso ex-baterista. A “Bem Passado” foi uma delas (e uma das mais divertidas de tocar). Nessa época a gente mandava ver em alguma “tentativa de delícia” para devorar após as criações. Daí surgiram também títulos como “Hot Chilli Beers“, “Café com Ervas” e “Jaime, o Menino Está com Sede“.

ÀBrasa – Bem Passado by tenhomaisdiscosqueamigos

TMDQA!: Uma coisa que chama bastante a minha atenção para vocês é por terem uma ligação com outros tipos de arte, ilustração e design, já que Filipe faz parte da equipe do Evil Deal. Já houve algum momento em que alguma música tenha sido fruto de um desenho?

Não me lembro de ter acontecido diretamente. Mas música para nós tem tudo a ver com ilustração, pois ambos são poderosas armas de expressão. É quando nossas ideias e ideais ganham vida.

TMDQA!: A ÀBrasa tem apenas 2 anos de existência. Com pouco tempo de história, vocês já são apontados por grandes bandas do cenário underground – Plastic Fire, Zander e Bullet Bane. De que forma isso reflete na banda?

Só temos a agradecer a todos os fellas. Nunca em nossas vidas fizemos tantas amizades. Essas, por exemplo, são bandas que sempre tivemos grande admiração, que sentem uma vontade feroz de evoluir e de passar boas mensagens. O que esperamos com isso é fazer cada vez mais brindes entre amigos e poder dar muita risada juntos.

TMDQA!: Agora chegou a vez de vocês. Quais bandas/artistas merecem a atenção de nossos leitores?

Além das já citadas na entrevista, existem bandas para as quais torcemos bastante, como Eu Serei a Hiena, Blackjaw, Horace Green, Moscoow, Abulia, Cristo Bomba, IODO, Fire Driven, Hunger United, Nunca Inverno, Polara (será que volta?), End of Pipe, Prelúdio, Minutos Menores, Better Leave Town, Rawfire, Glorious Bonds, H.E.R.O, Questions, Chuva Negra, Bravo, Umnavio, Running Like Lions, Berserk, Pense, Maldita Minoria, Metade Melhor, OxDxP, Incendiall, Dioramma, Nautica e, vish… muitas outras.

ÀBrasa Concede Música Para Audição, Entrevista e Fotos Exclusivas para o TMDQA!

TMDQA!: Bem, essa pergunta já é clássica em nossas entrevistas: Vocês têm mais discos que amigos?

Todos na banda têm bastante vinil. A coleção do Diego, com certeza, é a mais bonita, cheia de pérolas. A gente sempre se reúne no estúdio dele, o Wasabi, para ouvir e dar aquela inspirada.

TMDQA!: Muito obrigada por toparem conceder essa entrevista para nós. Sinceramente, foi ótimo poder conhecer mais um pouco sobre a carreira da ÀBrasa. Agora, o espaço é livre para mandarem o recado que quiserem!

Agradecemos de coração o espaço. Nossa banda é nova e procuramos fazer tudo com máximo de humildade e de respeito a todos. Alguns veteranos já nos provaram por A+B que mais vale enterrar o sentimento de corrida/competição e enxergar tudo como uma constante e prazerosa “caminhada matinal”.

 

Contato:

Facebook | Twitter | Youtube | Trama Virtual