Jorge Cabeleira

Jorge Cabeleira

Começaremos por um dos lançamentos mais maneiros que pude ter em mãos em minha adolescência. Jorge Cabeleira “e o Dia em que seremos todos inúteis. Lançado em 1995 com a produção de Frejat e a participação especial de Zé Ramalho e Peninha, o disco foi realmente uma aposta do selo Chaos, da Sony, que tinha o objetivo de lançar novos artistas.

Com uma mistura muito bem dosada de rock setentista e elementos de música nordestina, o primeiro álbum da banda é ótimo do início ao fim. As letras se baseiam em temas também relacionados e há até uma versão de “O Cheiro de Carolina” misturada a “O Xote das Meninas“, ambas de Luiz Gonzaga, em uma roupagem energética que beira o hardcore.

O forte sotaque do vocalista/guitarrista Dirceu, é a cereja do bolo pra transformar esse álbum em algo imperdível.

This Lonely Crowd

O quinteto de curitiba This Lonely Crowd acaba de nos brindar com mais uma pérola musical, complexa e doce, para fanáticos por melodias bem construídas e fãs do Smashing Pumpkins.

“Doppeldanger And Other Delicious Secrets” é uma coletânea de lados-b da banda. Canções que ficaram de fora de seus últimos trabalhos e principalmente do seu já conceituado “Some Kind Of Pareidolia“, de 2011.

A qualidade das composições próprias é algo óbvio. Mas o que nos chama aos olhos são as duas releituras feitas pela banda. “Everything Counts“, uma belíssima composição do Depeche Mode e a, totalmente inusitada, “Lucid Fairytale” do Napalm Death (!!).

Cliquem aqui e baixem grátis imediatamente.

Astronautas

Astronautas é uma banda única do cenário nacional. Mistura seu rock forte, com muitas pitadas de metal, a música industrial. Seu último álbum “O Amor Acabou!” é provavelmente seu trabalho mais completo, maduro e bem produzido. Composto, gravado e produzido inteiramente por André Frank em 2006, o álbum fez com que a banda de um homem só se mudasse de Recife para São Paulo para tentar se tornar algo muito maior do que já era.

Com destaques como “O amor acabou“, com sua pegada 100% industrial, “O Conto“, forte e com refrão que cola e a esquisita (mas ótima) “Amores Eletrônicos“, o álbum merece muita atenção dos ouvintes!

Lançado pela revista finada do Lobão, a “Outracoisa“, o disco aparentemente também significou o falecimento da banda, pois não consegui informações atualizadas da mesma.

Fica então a dica. Não deixe de conferir.