Patrick Stump - Soul Punk

Patrick Stump - Soul Punk

Resenha por João Mateus, do blog O Musicófilo

Patrick Stump é um talentoso cantor, compositor e multi-instrumentista americano, mais conhecido por ser vocalista e guitarrista da banda de pop-punk Fall Out Boy. Na teoria o Fall Out Boy entrou em hiato em Novembro de 2009 e a partir disso todos seus integrantes iniciaram projetos paralelos, o que acaba diminuindo as chances de uma possível volta da banda a curto prazo.

Em Soul Punk, Stump deixa claras algumas influências que já apareciam timidamente em sua banda e que agora com a liberdade de poder fazer o que quiser e como quiser ganham espaço e definem o som deste grande músico. Neste primeiro álbum solo de sua carreira, Stump tocou todos os instrumentos presentes no disco, desde os básicos como guitarra, baixo e bateria, passando por (muitos) sintetizadores e até instrumentos de sopro como trompete, trombone e saxofone.

“Explode” abre o disco de maneira realmente explosiva com vários sons de sintetizadores, bateria poderosa e uma linha vocal surpreendente apresentando um ótimo refrão. É sem duvida um teste para qualquer caixa de som ou fone de ouvido.

“This City” é uma mistura de influências: sua introdução soa meio Justin Timberlake, enquanto as estrofes evocam Michael Jackson e Prince (grandes ídolos do músico). O refrão da faixa deixa um pouco a desejar, mas o arranjo de toda música chama a atenção por ter muitas camadas sonoras em perfeita harmonia.

“Dance Miserable” soa como um Soul vindo direto dos anos 70 empregando a tecnologia de gravação e de instrumentos dos dias atuais, bem swingado, mostrando como esse gênero é importante para Stump. “Run Dry (X Heart X Fingers)” é uma das faíxas mais dançantes do álbum, mérito da ótima linha de baixo que dá à música essa característica ao lado da bateria e dos sintetizadores. Na metade da faixa começa a hidden track “Cryptozoology”, uma segunda parte/continuação da música anterior que segue a mesma linha dançante usando outros elementos sonoros.

Infelizmente nesse primeiro trabalho solo de Patrick Stump sobrou Soul e faltou Punk, fator que deixará muitos dos seus fãs vindos dos tempos de Fall Out Boy decepcionados. Mas em compensação o artista mostra habilidades nunca vistas em seus trabalhos anteriores com a banda, deixando claro que seu potencial solo pode ser tão grande quanto com a banda.

 
Compartilhar