Concorra a um par de ingressos para o dia 11 do festival SWU

TMDQA! sorteia um par de ingressos do SWU

Quer ganhar um par de ingressos para conferir Queens Of The Stone Age, Pixies, Avenged Sevenfold, Linkin Park, Incubus, Tiesto e muito mais???
Clique aqui e participe!

André Abujamra


foto por marinexhoff


O Tenho Mais Discos Que Amigos! foi ver de perto o show do músico André Abujamra no SESC Osasco, dia 18 de Setembro (sábado), e trouxe todos os detalhes do incrível espetáculo aqui!

Acompanhado dos músicos Kuki Stolarski na bateria e Du Moreira no baixo, Abu transformou aquele pedaço de noite fria num aconchegante show cheio de ritmos, improvisações e risadas bem dadas.

Começando no horário marcado, por volta das 20 horas, o trio performou músicas que datavam dos primeiros trabalhos de Abu, que na época fazia parte da banda Mulheres Negras, passando pelas suas composições em sua segunda banda, Karnak, com qual lançou três discos e finalmente pelo trabalho solo do músico, lançado esse ano, o disco “Mafaro“, cujo nome quer dizer alegria na língua Zimbabwe.

 

O show intimista, que encheu grande parte da tenda onde foi montado, não poderia abrigar o formato que a turnê do último disco do músico vem usando, como o uso de telões e a presença de quase uma dezena de músicos, então, os três juntos resolveram montar um setlist com um pouco de cada disco, confiando apenas na trajetória em que percorreram juntos, completando 18 anos de amizade, e no talento que eles possuem de sobra.

“Isso tudo parece que foi ensaiado, mas não foi. Estamos improvisando algumas coisas, não liguem se parecer estranho”, disse Abu.

Provando a ligação entre eles, o show se transformou numa jam super fiel e executada com maestria.

Maestria essa que Abu exercitava ao reger um coro de “canto da baleia”, “latido de cachorro”, “barulho de grilo”, “japonês fazendo pastel” e muitos outros, durante a música “Imaginação”.

Tocaram os sucessos “Juvenar”, “Alma Não Tem Cor”, “O Mundo”, além das recém-lançadas “Duvião” e “PANGEA”, em versões nunca antes vistas, como bolero, rumba e guitarrada.

Fizeram também um cover de Hendrix, em homenagem aos seus 40 anos de morte, com música “Purple Haze”, momento em que o lugar foi coberto por feixes de luzes roxas e Abujamra tocou seu prometido solo de 40 minutos (!).

 

No fim Abu declarou seu amor à música brasileira e instigou a todos a procurar e valorizar, de algum modo, a música regional do país, que é indiscutivelmente rica!

Se esqueci de transcorrer alguma coisa por aqui, é porque esse algo ficou apenas em mim, e aqui vai ficar!