O TMDQA! Quer Você!

Clique aqui para saber como fazer parte da equipe do seu site favorito de notícias musicais!

Entrevista na Idealshop

Felipe Eterno me entrevistou para o blog da maior loja underground do país, a Idealshop, e perguntou sobre tudo relacionado a Vinil, novidades no TMDQA!, Florianópolis e até Fita K7!

O resultado ficou bem legal e você pode conferir todas as minhas respostas aqui.

Na Vitrola com Stephen Egerton (Descendents)

Hoje estreia aqui no TMDQA! uma nova seção do site, chamada “Na Vitrola”.

A ideia é que eu, Angélica e Guilherme possamos trazer matérias sobre um determinado disco que a gente está ouvindo demais, seja novo ou velho, de qualquer estilo e que a gente sente que precisa compartilhar com o resto do mundo.
Além disso, ainda traremos convidados especiais falando sobre o que estão ouvindo no momento, acho que vai ficar bem legal.

Eu começo hoje com o disco que basicamente fez com que eu criasse essa seção:

Stephen Egerton – The Seven Degrees Of Stephen Egerton

Stephen Egerton é o lendário guitarrista de uma das bandas mais importantes para a história do punk e pop-punk, o Descendents. Além disso, quando Milo deixou os vocais da banda e ela virou ALL, era Stephen também o responsável pelas guitarras do novo grupo.

O cara tem um jeito muito característico de tocar o tal dos 3 acordes e é impressionante como o timbre da guitarra dele permanece o mesmo ao longo de tanto tempo. Ele é daqueles artisstas que quando você ouve qualquer coisa, 5 segundos de música, já sabe quem é.

Quando foi anunciado o disco solo dele e eu postei aqui no TMDQA! há um tempo atrás, eu fiquei extremamente ansioso, surpreso, e feliz em saber que ele tá na ativa e melhor de tudo, gravando com gente mais que importante.

Egerton recrutou nada mais nada menos do que 16 vocalistas diferentes para emprestar suas vozes às 16 faixas que compõem “The Seven Degrees Of Stephen Egerton”, onde ele gravou todo o resto do instrumental: guitarra, baixo e bateria.

E como se não fosse algo diferente, animador e principalmente trabalhoso reunir 16 pessoas em um mesmo disco, ele o fez com nomes que são referências na cena independente/punk rock americana.
Entre os mais conhecidos estão Dan Andriano do Alkaline Trio, Chris DeMakes do Less Than Jake, Mike Herrera do MxPx, Joey Cape do Lagwagon, Tim McIlrath do Rise Against, Milo do Descendents, Chad Price do ALL e Scott Reynolds também do ALL.

Apesar dos 16 vocais, o álbum é bastante conciso, muito pelo fato de Stephen ter gravado todos os instrumentos e mantido seu modo de tocar guitarra característico.
Logo na primeira faixa “Flip”, já fica claro o que nos espera ao longo do disco, com belas melodias, refrão grudento e a guitarra falando mais alto que todo mundo.
“Fire’s On” e “Abundance Of Fluff” vêm na sequência e são 2 das melhores do disco, assim como “Our Last Song”, “She’s Got Everything” e “Cut Me Down To Size”.

O álbum poderia acabar com a excelente “Print On Paper”, com participação de Chris do Less Than Jake, e talvez esse seja o único pecado do disco, que poderia ser menor, mas eu entendo que seria miuto difícil cortar 3 músicas com convidados especiais em todas elas.

Esse disco tem 45 minutos, mas passa como se fossem apenas 5. É daqueles deliciosos de ouvir, que passam rapidinho e você quer mais. Você não terá como errar baixando/comprando a sua cópia.

Pra finalizar, eu me dei ao trabalho de fazer um especial sobre cada um dos vocalistas, já que alguns são desconhecidos e quase todos me surpreenderam positivamente com seu trabalho. Aproveita:

01- John Speck (“Flip”)

John Speck é o vocalista/guitarrista da banda The Fags, trio que flutua entre o indie, garage rock e power pop, e as músicas dos caras são barulhentas mas ao mesmo tempo melódicas e guiadas pelo belo vocal de Speck.


02- Jon Snodgrass (“Fire’s On”)

Jon Snodgrass ganhou notoriedade sendo guitarrista e vocalista do influente trio de punk/emo/indie Armchair Martian, nos anos 90.
Quando a banda acabou, Jon partiu para um novo projeto de alt-country chamado Drag The River e também gravou várias faixas como artista solo, no esquema voz+violão, onde se dá muito bem, já que sua voz rouca característica combina com o country e o violão.
É um baita artista, e na minha opinião gravou uma das melhores faixas do disco.


03 – John Moreland (“Abundance Of Fluff”)

Vocalista de peso (#piadapronta), John Moreland toca na John Moreland & The Black Gold Band, quarteto de rock um tanto quanto desconhecido que tem feitos shows pelo circuito alternativo/punk lá nos EUA.
Aqui gravou uma das melhores músicas do disco, “Abundance Of Fluff”.


04 – Tim McIlrath (“South For The Winter”)

Um dos grandes nomes convidados para esse disco, Tim McIlrath é o vocalista do Rise Against, banda de hardcore melódico que já ultrapassou os limites do underground e é banda de gravadora grande, além de ser referência no estilo e ter uma legião de fãs devotos.

Confesso que esperava bastante da faixa dele, “South For The Winter”, mas achei uma das mais fracas do disco.


05 – Chad Price (“Funny Face”)

Chad Price foi um dos vocalistas a passar pelo ALL, banda que representava 3/4 do Descendents, incluindo Egerton no lineup.
Além disso, ele também tocou no Drag The River, junto com Jon Snodgrass e também embarcou em carreira solo com seu violão. Gravou “Funny Face” para esse disco.



06 – Bill McShane (“Never Again”)

Bill McShane era o vocalista e guitarrista de uma banda de indie/power-pop chamada Ultimate Fakebook, que durou de 1994 a 2003.
Sinceramente, “Never Again” é uma das músicas que mais surpreendeu no disco, ficou boa demais.

Fui obrigado a ir atrás do catálogo do Ultimate Fakebook, e recomendo! Odeio descobrir boas bandas depois que elas acabam, mas paciência.


07 – Jesse Cole (“On The Avenue”)

Jesse Cole é vocalista e guitarrista da banda de pop-punk In Stereo, cujo último disco tem um nome bem interessante: “Death Before Emo”. Além disso, também toca no Le Fang, banda mais orientada a indie do que pop-punk, cuja música “City In Peril” é muito parecida com a faixa “On The Avenue”, gravada no disco de Egerton.
O Le Fang, aliás, tem sido uma espécie de banda de apoio de Egerton em shows de divulgação desse disco, com Jesse Cole cantando faixas gravadas originalmente por outros vocalistas no álbum.


08 – Dan Andriano (“Our Last Song”)

Muito provavelmente você sabe que Dan Andriano é um dos vocalistas e baixista do gigante Alkaline Trio.
O que você não sabe é que Dan tem um passado de várias outras bandas muito interessantes, e vou contar um pouco sobre todas aqui.

Dan Andriano era baixista da banda de ska Slapstick, de onde também sairam membros do The Lawrence Arms. Quando a banda acabou, Andriano formou o Tuesday, banda de emo dos anos 90, aos moldes de Sunny Day Real Estate, com ele assumindo os vocais de todas as músicas.

Nesse meio tempo ele formou o Alkaline Trio com Matt Skiba e a banda tornou-se uma das maiores de emo/punk de todos os tempos, e grande nome do estilo até hoje, chegando a ter lançado disco por major label e tudo mais.

Outro projeto recente de Dan foi o The Falcon, onde tocava baixo e dividia os palcos com Brendan Kelly do Lawrence Arms, responsável pelas guitarras e vocal.

Por último, chegou a fazer uma turnê como artista solo com o nome de Emergency Room.
Ufa!

Nesse disco, gravou “Our Last Song”, primeira música do disco a ser divulgada antes dele sair.


09 – Milo Aukerman (“She’s Got Everything”)

Milo é eterno frontman de uma das bandas punk mais importantes da história, e talvez os pioneiros do tão famoso pop-punk, o Descendents.

Musicalmente ele basicamente só fez isso e algumas participações especiais e backing vocals em músicas do ALL, mas fora da música o cara é nada mais na menos do que PhD em bioquímica. Motivo esse que o fez inclusive abandonar o Descendents (o disco “Milo Goes To College” não tem esse nome à toa).

Gravou “She’s Got Everything” e obviamente a faixa tem cara e jeito de andar do Descendents.


10 – Mike Herrera (“Cut Me Down To Size”)

Mike Herrera é conhecido como baixista e vocalista do trio de pop-punk MxPx, que é um dos maiores nomes no estilo e como postamos há algum tempo atrás, influência até para membros de bandas gigantes de gosto duvidoso como o Jonas Brothers.

Além do MxPx, também teve 2 outras bandas chamadas Arthur e The Cootees, ambas muito parecidas com MxPx, e mais recentemente iniciou o Tumbledown, projeto bem interessante de alt-country.

A faixa dele no disco,“Cut Me Down To Size” é uma das melhores.



11 – Scott Reynolds (Sunny Disposition)

Scott Reynolds foi um dos vocalistas do ALL, além de Dave Smalley e Chad Price.
Depois que saiu da banda, teve alguns outros projetos, mas nenhum teve atenção e notoriedade, até que há pouco tempo atrás ele se juntou ao próprio Stephen Egerton em uma banda chamada 40Engine, que aliás é responsável por algumas das faixas desse disco de Egerton, incluindo “Sunny Disposition” gravada com Reynolds.



12 – Joey Cape (“When They Roam”)

Joey Cape ganhou notoriedade na cena com sua primeira banda, o Lagwagon, grande nome do hardcore melódico dos anos 90 que era para sua época o que o emo é para os dias de hoje, o estilo preferido da molecada do underground/independente.

Além do Lagwagon, Joey formou o Bad Astronaut, toca no supergrupo de covers Me First And The Gimme Gimmes (que contém ainda membros de Foo Fighters, NOFX e Swingin’ Utters), gravou e excursionou com amigos do Sugarcult sob o nome de The Playing Favorites (você viu o lindo disco deles aqui) e agora grava e toca ao redor dos EUA em carreira solo, com voz+violão.

“When They Roam” combinou demais com a voz de Joey.



13 – Chris DeMakes (“Print On Paper”)

Chris é vocalista e guitarrista de uma das bandas de ska da terceira onda mais importantes e influentes, o Less Than Jake. Gravou “Print On Paper”, uma das minhas preferidas do disco.



14 – Frank Daly (“Falling Out”)

Frank Daly era o vocalista da banda Big Drill Car, que viveu entre o final dos anos 80 e começo dos anos 90 e foi um dos grandes nomes da cena pop-punk californiana da época, influenciando o próprio ALL de Stephen Egerton.

Nesse disco gravou “Falling Out”.


15 – Mark Vecchiarelli (“Silencer”)

Mark era o vocalista e guitarrista do trio de rock alternativo (no mais puro sentido do gênero) Shades Apart, que chegou a ter relativo sucesso com a música “Valentine” e participou da trilha sonora oficial do filme American Pie.
Encerrou as atividades em 2003 e chegou a fazer alguns shows de reunião após isso, mas não está em atividade.


16 – Abe Brennan

Abe Brennan é vocalista das bandas My Name e Wretch Like Me.
Gravou a última faixa do disco, “Willie Wicked”, que é a que mais destoa do resto do álbum, e uma das que poderia ter ficado de fora.


Você pode comprar o disco em 3 cores diferentes de vinil na Interpunk, ou pode claro baixá-lo na Internet, porque já vazou faz tempo. Você sabe onde procurar, certo? ;D


Espero que tenham gostado dessa primeira edição do “Na Vitrola” porque eu fiz com muita vontade de compartilhar o algo que estou gostando demais no momento com a maior riqueza de detalhes possível.

Deixem seus comentários e pensamentos abaixo!

Abraços.