Zander

Ontem, às 22hs, foi lançado na internet o mais novo videoclipe do Zander, banda carioca que dispensa maiores comentários.  
“Dialeto” (música do EP “Já Faz Algum Tempo”, de 2009) teve sua premier no Clube Outs, em São Paulo, durante o show de comemoração do primeiro feito pela banda (no Circo Voador – RJ).

O diretor, George Queiroz, foi o mesmo que trabalhou no primeiro videoclipe da banda, “Pólvora”, lançado no ano passado.

Quem não conhece a banda ou sempre ouviu falar, mas nunca foi procurar sobre ela, seja por falta de tempo, esquecimento, preguiça, etc, essa matéria e o documentário “Round 2” (lançado no Youtube no final de fevereiro deste ano) são ótimas oportunidades para enfim, você se atualizar e saber tudo sobre a nova fase e os planos do Zander.

Zander é uma banda do Rio de Janeiro, que deu as caras no final de 2008, após o término do Deluxe Trio (Bil, Guta e Bola, que agora toca com o StripClub) e originalmente foi formada por: Gabriel Zander / Bil  (vocal, guitarra), Gabriel Arbex / Sanfona (guitarra), Philippe Fargnoli / Phil (vocais e guitarra), Leonardo Mitchell / Leo (bateria) e Gustavo Tolhuizen / Guta (baixo).

Todos são e/ou foram membros de bandas importantes da cena underground brasileira, como: Dead Fish, Noção de Nada, Deluxe Trio, Discoteque, Reffer e Malni.

Mas e o nome? De onde veio? Era pra ser associado ao Bil? Ele mesmo respondeu, durante uma entrevista feita em São Paulo, no ano passado: “A gente ficou muito tempo pensando nisso… Aí o Guta mandou isso uma vez, todo mundo concordou e pronto. É um negócio que a gente já sabia que ia ser polêmico e por isso mesmo que nós achamos que seria legal.” Ele também disse que todos pensaram: “Ah, vamos tentar, não vai ser qualquer nome, vai ter uma associação.

Em outubro de 2008, eles lançaram o EP “Em Construção”, em junho de 2009 a música “Do The Shindo” (que se encontra na “Coletânea Superfuzz” – o estúdio da banda) e no mês seguinte, o EP “Já Faz Algum Tempo” (ambos com seis faixas e disponíveis para download no site Trama Virtual).

Em março de 2009, foi lançado o primeiro videoclipe da banda, gravado em 2008 no Espaço Impróprio (São Paulo), dirigido por George Queiroz, Daniel Todeschi e Rodrigo Toledo. A música escolhida foi “Pólvora” e você pode conferir o resultado (lindíssimo) aqui:

Após todos esses lançamentos, shows e alguns acontecimentos marcantes como a chance de abrir o show da banda californiana Samiam, em dezembro de 2009, no Hangar 110 (São Paulo), o baixista Guta deixou a banda antes mesmo de chegar a fazer essa apresentação.

Em esclarecimento, Bil postou no fotolog do Zander:

Terça feira, dia 1/12/2009, eram 11 horas da manha e lá estávamos nós com os olhos ardendo de sono e o corpo cansado devido as miseras horas de sono que conseguimos desfrutar na noite anterior para encarar mais um ensaio matinal do Zander. 2 horas se passam e o ampli de baixo continua desligado, ligações são entregues a caixa postal, e-mails não são mais respondidos, o ensaio acaba. Tinhamos pouco tempo e decidimos ir almocar já comecando a imaginar que talvez alguma coisa séria pudesse estar acontecendo. Voltamos pro estúdio, trabalho já rolando e de repente a bomba explode. Chega enfim um e-mail do Guta dizendo que esta fora da banda, alegando seus motivos e conclusões que não nos cabe julgar, quem também gosta e se preocupa com ele sabe onde encontrá-lo e pode conversar diretamente com ele sobre isso. Para nós restou somente aceitar e desejar o melhor pra ele e que esta decisão o faça mais feliz. Sabíamos que o Guta não estava em sintonia conosco há algum tempo e que isso poderia acontecer a qualquer momento, mas pra quem viveu a vida inteira em função do coração e não da razão, contrariando todas as expectativas e ignorando o caminho mais facíl embaixo de críticas, mas por outro lado também sempre com muito apoio daqueles que realmente entendem (muito obrigado!), a gente sempre acaba acreditando lá no fundo que talvez aqueles que a gente gosta e estão por perto também possam sentir e ver as coisas com a mesma clareza que estamos vendo, o que de fato não acontece, somos diferentes e temos que aceitar e compreender a beleza disso, sem deixar que nos derrubem ou nos façam desistir dos nossos sonhos. Vamos em frente e vamos com tudo. Sigam-me os bons, os loucos, os aventureiros, aqueles que não tem pudor nem medo de se machucar. (…)

Como eles tinham alguns shows marcados para a mesma semana no interior de São Paulo e também um em Joinville, em Santa Catarina e não dava tempo de arrumar um baixista, Gabriel Arbex largou sua guitarra e foi assumir os graves nessas apresentações.

Mais compromissos foram surgindo e felizmente, Celso (baixista da banda StripClub) topou dar essa ajuda para o Zander, cobrindo alguns shows. Inclusive, ele chegou a fazer as primeiras apresentações da banda em 2010.

Mas e aí? Se não vai ser o Celso, quem vai assumir o posto de baixista oficial do Zander? Eu respondo: O recém chegado no Rio de Janeiro, Marcelo Adam (conhecido pelo seu trabalho nas bandas A Sangue Frio, Jonas, Hoje Você Morre, Autamata, Yun Fat, Viver Mata).

Por conta desse momento de turbulência na vida do Zander; de transição de integrante e para explicar também mais detalhes sobre isso aos admiradores da banda e quais serão suas convicções agora, eles toparam fazer um mini documentário, produzido pela 2r² Produções, de Rodrigo Galha (Catch Side). Ele postou no fotolog da 2r², que a produção foi de dois dias de filmagem mais dois dias de edição.

Round 2“, como foi intitulado, foca exatamente nessa nova fase da banda, que marca também o primeiro ensaio e o primeiro show com o novo baixista, Marcelo Adam.

Curiosa para ter mais informações sobre esse documentário, fiz umas perguntinhas para o sempre útil, prestativo e responsável pela bateria do Zander, Leonardo Mitchell. Confira:

Angélica-TMDQA!: Como foi que surgiu essa parceria com a 2r² Produções e essa ideia do video?

Leo: A parceria surgiu porque estamos com uns 60 gigas de material em video de todos os shows até aqui. Tem de tudo. Imagens de shows, viagens, ensaios, nosso dia a dia, imagens profissas e imagens amadoras, ábom e áudio ruim. Enfim, precisávamos de ajuda pra conseguir transformar esse material num registro bacana da época. O Galha, da 2r2 Produções, é nosso amigo e frequentador do estudio SUPERFUZZ e já tinhamos ele em mente. Começamos a conversar sobre a ideia de fazer um home video, um trabalho longo, de muitas horas e nesse meio tempo pintou esse show no Rio (nota: Acontecido dia 15, no Asa Branca, na Lapa) que marcaria o primeiro show com Marcelo e até o primeiro ensaio com o cara. Por que não registrar isso e fazer um video desse momento?

Angélica-TMDQA!: Quem colocou a ideia em vigor?

Leo: O Galha filmou o dia anterior ao show, que foi o dia que o Marcelo chegou aqui no Rio. Ele filmou o ensaio e pegou alguns depoimentos durante a nossa pausa pro almoço, filmou também o show no dia seguinte e um pouco da movimentação atrás do palco. Ele foi super profissa e eficiente e rapidamente já montou o Mini Doc de maneira muito espontânea. Posso dizer que nem demos muitas opiniões. Ele saiu fazendo do jeito que achou melhor e achei o resultado muito bacana.

Angélica-TMDQA!: Vocês pensam em fazer algum documentário futuramente, tipo um “Rock Estrada”, (programa exibido pelo Multishow) registrando turnês epeciais (como essas “maratonas” que a banda vem fazendo no Sul e São Paulo)?

Leo: Pensamos sim. Seria muito bacana poder fazer sempre esse registro. O foda é que além de registrar, você tem que filtrar muita coisa e editar, o que torna o processo um tanto trabalhoso e caro. Mas sempre que der vamos fazer sim. Eu já assisti o Rock Estrada algumas vezes e achei bem legal. É divertido ver a galera ora se fudendo ora se dando bem, como acontece mesmo.

No fotolog oficial, Bil postou a seguinte mensagem no dia 19 de fevereiro, comentando e falando também sobre o mini-doc:

Então, como eu disse ontem, fechamos uma parceria com a 2r² Produções | Produtora de Vídeo do nosso amigo Rodrigo Galha. E de cara já saiu o primeiro filho dessa combinação. Trata-se de um mini-Documentario a respeito da banda, com foco na saída do Guta e na entrada do Marcelo, o primeiro ensaio e o primeiro show com o cara, ou seja, a fase nova da banda, o segundo Round, que se inicia a partir de agora em 2010, quando estamos entrando de cabeça, focados nas nossas convicções e dispostos a passar nossa mensagem pra frente da nossa maneira, do jeito que achamos certo e acreditamos e esse video ilustra um pouquinho do que é isso. Também sentimos muito e sabemos desde já que devido ao grande aumento no número dos nossos shows, esse ano serão bem raras as vezes que poderemos contar com a presença do grande Phil, gigante das guitarras e figurassa querida, mas que tem já o grande DEAD FISH como sua prioridade e fica complicado pra ele. Porém, tambem nesse video, pretendemos mostrar um pouco pra quem nunca viu como são e serão os shows sem ele, que mesmo obviamente sofrendo uma grande baixa técnica, não perderão em nada em termos de energia, explosão, vontade, recado e sinceridade, que desde o dia 1, sempre foram os objetivos da banda e de quem faz parte dela direta ou indiretamente também como pessoas.

“Round 2” foi postado no Youtube, às 20hs, em duas datas e partes: Segunda-feira, dia 22 – Parte 1 e quarta-feira, dia 24 – Parte 2.

Abaixo, você confere o teaser, seguido pelo documentário completo:

Sobre o futuro do Zander, em uma entrevista realizada no ano passado, Bil contou: “Isso aqui é uma continuidade do trabalho… Termina um, vem outro. Lá no fundo é isso, mas espero que acabe por aí. Já tô ficando velho e cansado [risos], não pretendo ir muito mais além disso não…[risos]

Encontre o Zander na web, nos seguintes endereços:

Site | Facebook | Twitter | Fotolog | Orkut | Myspace | Trama Virtual | Youtube

It’s A King Thing

A banda de New Jersey, It’s A King Thing, postou no começo de fevereiro, o seu terceiro álbum [sim, o nome é grande] “Buffalo buffalo Buffalo buffalo buffalo buffalo Buffalo buffalo”, para download gratuito.

Clique aqui e baixe o álbum completo e zipado, sem nenhuma lenga lenga. Nesse link também estão disponíveis as letras de cada faixa. São elas:

01. “Old Hobbies” (2:07)
02. “Mush Mouth” (2:19)
03. “Baby Tantrum” (3:30)
04. “Everything Backwards” (3:09)
05. “Kira” (1:22)
06. “Bill Haverchuck” (3:04)
07. “Number One Option” (3:36)
08. “Vegetarian” (2:12)
09. “Hangin Out” (2:05)
10. “Wine and Ponies” (2:23)
11. “Tammy Faye” (3:08)
12. “Triple Jump” (2:05)

A banda tem planos de fazer videoclipes para cada música do CD e quatro desses clipes, você já confere aqui:

“Mush Mouth” (dirigido por David Dunn):

“Old Hobbies” (dirigido por Robert Emmons):

“Tammy Faye” (dirigido por David Dunn):

Kira (dirigido por Vincent DiCostanzo):

The Homewreckers

A banda de punk rock nascida e criada em Nova Iorque, The Homewreckers, que tem influências de Wanda Jackson, Black Flag, The Muffs, X-Ray Spex e The Undertones, lançou em janeiro deste ano, pelo selo Kiss Of Death Records, o seu primeiro 7 polegadas.

O EP “Daydreaming About Assholes” contém quatro faixas (todas com um som bem cru e objetivo):

01. “Bad Decisions”
02. “Love Song”
03. “The Unbearable Plight”
04. “Destroy Me? Ill Destroy You!”

“Destroy Me? Ill Destroy You!” e “Bad Decisions” foram regravadas em novas versões. Já “Love Song” e “The Unbearable Plight”, são novíssimas.

Você pode comprá-lo aqui, por apenas quatro dólares americanos.

O álbum vem com um sensacional livreto de quatro páginas, que contém uma nota escrita pela vocalista e guitarrista da banda, Cristy Road, onde ela explica os temas de cada uma das letras do EP.
Além disso, ao longo das páginas, há incríveis ilustrações (feitas também por Cristy Road) com as letras de cada música.

No myspace oficial da banda, Cristy Road postou o seguinte: “Se você comprou o nosso vinil e quiser tê-lo na versão digital também, mande-me um e-mail que passarei! Mas não minta para mim, caso você não tenha comprado o vinil.

Bayside

A banda nova iorquina de rock alternativo, Bayside, relançou no dia 9 de março deste ano o seu homônimo trabalho originalmente lançado em 2005, pela Victory Records, em vinil 12 polegadas.

A tracklisting é:

01. “Hello Shitty”            
02. “Devotion And Desire”            
03. “Tortures Of The Damned”            
04. “They Looked Like Strong Hands”            
05. “Montauk”        
06. “Blame It On Bad Luck”            
07. “We’ll Be O.K.”            
08. “Existing In A Crisis (Evelyn)”            
09. “Don’t Call Me Peanut”            
10. “Half A Life”            
11. “Dear Tragedy”

Para comprar a versão em vinil, clique aqui.

No site da Victory Records, é possível comprar a versão em CD e também baixar gratuitamente duas faixas: “Tortures Of The Damned” e “Existing In A Crisis (Evelyn)”.

Ou se preferir via iTunes, basta clicar aqui.

Na versão japonesa há uma 12ª faixa: “A Long December” (Counting Crows cover). Mas o preço é tão caro, que chega a doer: $51,95. Mas pelo menos o frete é grátis. Para comprar essa versão, clique aqui.